Um livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive. (Padre Antônio Vieira)

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Racistas no facemerda

Jornalista negra posta foto nas redes sociais e sofre enxurrada de ataques racistas. Em apoio à Cristiane Damacena, internautas se mobilizaram e também comentaram em repúdio ao preconceito. Agressores estão sendo identificados e podem ser punidos

racismo jornalista negra Cristiane Damacena

Um ataque racista contra uma jornalista negra de Brasília (DF) por meio do seu perfil numa rede social causou forte comoção dentro e fora da Internet nesta terça-feira (5). Cristiane Damacena publicou no dia 24 de abril uma nova foto no Facebook e cinco dias depois passou a sofrer injúrias de cunho racial por ao menos 5 perfis diferentes. Ela foi chamada de "macaca" e "escrava" e sofreu zombarias por causa da cor da pele.

De lá pra cá o caso ganhou repercussão e o apoio a Cristiane extrapolou sua rede de amigos no Facebook. Ao meio-dia desta terça-feira já eram 14.663 curtidas na foto, onze mil comentários e 353 compartilhamentos. Mensagens em defesa da jornalista, elogios a sua beleza e manifestações de apoio formam a maior parte dos comentários. Ela é chamada de "linda" em vários deles. Numa das agressões, um internauta afirma que ela usa um vestido amarelo "porque é a cor preferida do macaco pois lembra a banana".

racismo jornalista negra

Denúncias à Secretaria da Igualdade Racial

De janeiro até agora, a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial recebeu cerca de 200 denúncias de racismo. Um dos casos que chegou ao órgão foi o da jornalista de Brasília Cristiane Damacena. A jovem, que não quis gravar entrevista por orientação dos advogados, afirmou que também vai recorrer à Justiça para punir os culpados. E disse que ainda está atônita com tudo o que aconteceu.

De acordo com Dalila Negreiros, do grupo Nosso Coletivo Negro, que organiza ações afirmativas para Negros no Distrito Federal, o caso de Cristiane é lamentável e se soma a várias situações racistas na internet. Segundo ela, usuários da rede que praticam esse tipo de crime se sentem à vontade para se expor porque acham que não serão encontrados. E o que dificulta é a falta de denúncias em muitos casos e a lentidão das investigações.

Injúria racial

O advogado Paulo Duarte diz que o caso da jornalista é classificado como injúria racial e a pena varia de um a três anos de prisão. Ele destaca que é possível identificar os envolvidos.

No ano passado, a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial recebeu cerca de 560 denúncias. De acordo com o órgão, os casos dão origem a um procedimento administrativo, que é avaliado e investigado para, então, ser encaminhado aos órgãos competentes.

Para a advogada Indira Quaresma, da Comissão de Direitos Humanos da OAB-DF, as vítimas de injúria racial devem tirar uma cópia da página em que as ofensas estão postadas e com ela fazer um boletim de ocorrência. A partir do boletim a investigação começa a ser feita pela Polícia mediante uma ação penal privada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivos Malucos

Seguidores