Um livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive. (Padre Antônio Vieira)

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Alguém se surpreendeu com a revelação de Mariana Godoy?

Mariana Godoy fez carreira na Rede Globo. Trabalhou na emissora durante 23 anos e, recentemente, pediu demissão. Apesar de estar agora em um veículo de comunicação menor, a jornalista explicou por que está mais feliz

mariana godoy globo rede tv
A jornalista Mariana Godoy, ex-Globo, agora está na RedeTV!

Mariana Godoy ficou 23 anos de sua vida trabalhando na Rede Globo, mas em outubro de 2014, repentinamente, pediu demissão. O motivo teria sido uma desavença com o Diretor-Geral Ali Kamel.

Em nota oficial, a Rede Globo afirmou que, após três anos se dividindo na ponte aérea entre Rio e São Paulo, Mariana Godoy pediu para se desligar da emissora para voltar a morar na capital. Ou seja, aparentemente tudo havia sido amigável.

Até poucos dias atrás, porém, Mariana não havia explicado exatamente o que tinha acontecido. E, em uma entrevista recente, acabou soltando uma declaração polêmica sobre os apresentadores dos telejornais globais.

Ao comentar seu novo emprego na RedeTV!, a jornalista afirmou que nunca esteve tão feliz, já que lá o telespectador tem a chance de conhecê-la de verdade; coisa que, segundo Mariana, não ocorre na Rede Globo. "Todas as perguntas que você vê um apresentador fazer, incluindo o William Bonner, é o Ali Kamel [diretor geral de jornalismo] que escreve", revela.

A apresentadora diz que não há liberdade na emissora carioca e os comunicadores da empresa nada mais são do que pessoas que decoram perguntas e respostas e as pronunciam ao vivo.

Em texto publicado no DCM, o jornalista e ex-diretor da editora Globo, Paulo Nogueira, reforça as declarações de Mariana Godoy. "A emissora [Globo] dá visibilidade, mas não oferece as coisas que realmente tornam atraente uma atividade, a começar por autonomia. Mariana Godoy apenas mostrou, para os iludidos, como é o ambiente dentro das redações: péssimo, como o jornalismo que sai delas", conta Nogueira, que também já foi diretor da editora Abril.

Leia abaixo os principais trechos do texto de Nogueira:

As pessoas pareceram surpresas, nas redes sociais, com uma declaração da jornalista Mariana Godoy, ex-Globo, sobre os apresentadores da emissora.

Numa entrevista, ela se disse feliz com seu novo emprego na Rede TV porque, finalmente, pode fazer perguntas, e não simplesmente ler as que os outros fazem por ela.

As pessoas achavam que os apresentadores da Globo tinham luz própria para fazer alguma coisa além de declamar.

Você pode miseravelmente pouco quando não é um Marinho na Globo, ou alguém de seu círculo mais próximo.

O que Mariana não disse, por ir além do que ela via, é que as perguntas de Kamel são devidamente aprovadas previamente por João Roberto Marinho, o irmão que cuida do conteúdo da Globo.

Não me refiro, obviamente, às perguntas triviais, mas às que verdadeiramente contam.

Por exemplo, as que foram feitas no Jornal Nacional aos candidatos à presidência.

O que os apresentadores devem saber fazer é lidar com as respostas. Patrícia Poeta, pelo que se noticiou, não foi aprovada na maneira como encaminhou, ou desencaminhou, a entrevista com Marina, e foi tirada do JN.

Mas o mais relevante, no debate, é que o que ocorre na Globo é um lugar comum nas corporações de mídia. Só quem manda são os donos.

Na Veja, o diretor de redação Eurípides Alcântara executa, apenas, as vontades dos Civitas.

Em outros tempos, você tinha um certo equilíbrio no jornalismo brasileiro. Os donos, compreensivelmente, eram de direita. Mas as redações eram, também compreensivelmente, progressistas.

Na Folha, Claudio Abramo puxava o jornal para um lado e Octavio Frias para o outro, e o resultado era um conteúdo frequentemente instigante.

O equilíbrio se perdeu a partir de 2003, com a ascensão de Lula.

Os donos buscaram obsessivamente chefes de redação afinados com eles, ou ao menos completamente submissos, como Eurípides na Veja ou Kamel na Globo.

Para facilitar seu trabalho, estes também se cercaram de replicantes.

Na Globo, ascenderam, por essa lógica, jornalistas como Erick Bretas, diretor de mídias digitais da empresa – e com um viés antipetista tão intenso que, em março, ele convocou seus seguidores no Facebook para uma manifestação contra o governo. Avisou, é claro, que estaria na rua.

Ainda na Globo, outro jornalista que cresceu sob tal ambiente é Diego Escosteguy, que fez da Época uma Veja, como se uma não bastasse.

Semanalmente, sob Escosteguy, a Época, como a Veja, se dedica a semear denúncias "bombásticas" contra Lula e o PT que não dão em nada.

A Época não se detém diante de nada. Na campanha presidencial, publicou uma pesquisa de um certo Instituto Paraná pela qual Aécio hoje estaria na presidência, tamanha a vantagem que lhe davam.

Mais recentemente, o mesmo instituto foi usado pela revista para dizer que, se fossem hoje as eleições, Aécio levaria. O leitor poderia responder: se fosse pelo instituto e pela revista, Aécio já teria sido eleito em outubro.

Esta, enfim, é a mídia brasileira. Se não é a pior do mundo, disputa esse título acirradamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivos Malucos

Seguidores