Um livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive. (Padre Antônio Vieira)

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Os abutres que comemoraram o massacre da PM contra professores no Paraná

É difícil de acreditar, mas houve quem se divertisse com as agressões da PM do Paraná contra professores e servidores nesta quarta-feira. Da sacada do Palácio Iguaçu (sede do governo do estado), assessores e funcionários de Beto Richa celebraram o massacre

massacre professores paraná
Mais de 200 civis ficaram feridos na violenta tarde de 29 de abril em Curitiba (Divulgação)

O massacre promovido pela Polícia Militar do Paraná, estado governado por Beto Richa (PSDB), contra os professores estaduais em greve comoveu boa parte dos brasileiros nesta quarta-feira (29). O Centro Cívico da capital paranaense se transformou em um cenário de guerra. Ao todo, mais de 200 pessoas ficaram feridas, sendo 8 em estado grave, segundo informações da Prefeitura e do SAMU.

Os servidores protestavam contra a votação do projeto de lei 252/2015, de Beto Richa. O texto, aprovado em meio ao massacre, autoriza o governo estadual a mexer no fundo de previdência dos servidores públicos do estado, a Paranáprevidência.

Por mais absurdo que pareça, muitas pessoas não se sensibilizaram com o sofrimento dos professores e servidores que foram vítimas de uma brutalidade desproporcional. "Esses vagabundos mereceram", disse um comentarista na página do Facebook de Pragmatismo Político. "Essa greve é política, tem que descer o cacete mesmo!", bradou outro.

No Palácio do Iguaçu, sede oficial do Governo do Estado do Paraná, houve também quem celebrasse o massacre. Em vídeo (assista abaixo) enviado ao Blog do Esmael por um integrante do governo Richa, assessores do governador e funcionários do Palácio comemoraram a violência policial com gritos de ""aêêê" e "isso aí".

A Ordem dos Advogados do Brasil do Paraná (OAB-PR), entidades políticas e figuras públicas já manifestaram repúdio diante de tamanha violência. A prefeitura de Curitiba também se manifestou contrariamente ao massacre.

Segundo o gabinete do governador Beto Richa, as cenas foram registradas do quarto andar do Palácio, onde funciona a Casa Civil. O governo paranaense disse que o tucano repudia os comentários do vídeo e que abriu uma sindicância para apurar os responsáveis pela gravação.

As imagens de um cenário de barbárie e guerra no Paraná

Centenas de professores do estado que protestaram em frente à Assembleia Legislativa do Paraná estão feridos após repressão da PM. O prédio da prefeitura foi transformado em uma espécie de enfermaria. Bombas, balas de borracha e até blindados foram utilizados para reprimir os servidores. As imagens são de guerra

paraná professores protestos pm
Mais de 100 pessoas ficaram feridas durante os confrontos da tropa de choque com os professores. Projeto do ParanaPrevidência é aprovado. (Pragmatismo Político)

Professores e servidores que estão hoje (29) na Assembleia Legislativa para acompanhar a votação de alterações na previdência do funcionalismo foram brutalmente agredidos pela Polícia Militar do governador Beto Richa (PSDB).

De acordo com o jornal paranaense Gazeta do Povo, que cobre os conflitos in loco, mais de 130 manifestantes estão feridos e oito encontram-se em estado grave. O SAMU divulgou que o número total de feridos é de 150 pessoas. Os que apresentam estado mais grave foram encaminhados para o hospital Cajuru, um deles com traumatismo craniano.

Foram utilizados blindados, bombas, balas de borracha, cães treinados e até um helicóptero para coibir os servidores. Um veículo do Batalhão de Fronteira do Paraná, que atua a 600km de Curitiba, foi deslocado para reforçar o cerco à Assembleia Legislativa.

Diversos feridos estão sendo atendidos no meio da rua. O prédio da Prefeitura de Curitiba foi transformado em uma espécie de ambulatório para dar suporte aos atendimentos.

O gás lacrimogênio utilizado pela PM acabou entrando em um dos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI) do Centro Cívico. Os pais foram buscar as crianças. Segundo o diretor, os alunos ficaram muito assustadas.

As ambulâncias não foram suficientes e equipes da Guarda Municipal foram acionadas para ajudar no deslocamento dos manifestantes feridos. O prefeito Gustavo Fruet (PDT) disse que até o momento houve 34 pessoas encaminhadas ao hospital e que a ação do governo do estado tem um grau violência desnecessário. "Há dias a prefeitura vem alertando da desproporcionalidade da força."

O comandante da Polícia Militar e a Secretaria de Segurança Pública afirmam policiais também ficaram feridos.

Guerra

O deputado federal Enio Verri disse que o cenário é devastador e fugiu do controle. "É uma atitude truculenta e absurda, ultrapassada, parece o Brasil do século 19. São trabalhadores organizados fazendo uma mobilização não para conquistar direitos, mas para não perdê-los. Eles (governo) não têm diálogo nenhum com o setor público e ainda por cima mandam colocar a polícia", afirmou.

ParanaPrevidência

Os servidores públicos protestam contra o projeto de lei que promove mudanças no custeio do Regime Próprio da Previdência Social dos servidores estaduais – ParanaPrevidência.

O projeto foi aprovado em primeiro turno na sessão na tarde de terça-feira com 31 votos favoráveis e 20 contrários. O projeto de lei muda a fonte de pagamento de mais de 30 mil beneficiários para o Fundo Previdenciário.

Com isso, o governo deixa de pagar sozinho essas aposentadorias e a divide a conta com os próprios servidores, já que o fundo é composto por recursos do Executivo e do funcionalismo.

(Atualização | 18H20)Mesmo com a greve e a pressão dos professores na porta da Assembleia Legislativa do Paraná, o projeto que propõe mudanças na Paranáprevidência foi aprovado pelos deputados estaduais. O governador Beto Richa (PSDB) tem maioria governista na casa.

As imagens:

parana2
parana1
parana3
parana4
parana5
parana6
parana7
parana8
parana9
parana10
parana11
professora-ferida-parana
parana12
parana13
parana14
parana15
PARANA16
parana17
parana18
parana19
parana20
parana21
parana22
parana23
Vídeos:

terça-feira, 28 de abril de 2015

O descompasso da direita brasileira

Com esses movimentos anti-PT, digo, anticorrupção, novamente a direita parece não encontrar um uníssono. Saem todos juntos à rua e até dividem a cerveja long neck de oito reais e a selfie, mas os discursos são destoantes.

direita elite manifestações impeachment dilma psdb
Direita brasileira (Imagem: Pragmatismo Político)

Delmar Bertuol*, Pragmatismo Político

A direita brasileira só visa a uma coisa: o poder. É compreensível. Ao final do Governo Dilma, contar-se-á dezesseis anos de um governo esquerdista e seus conseguintes malefícios ao dito progresso – seja lá o que a direita entenda por isso: diminuição da miséria, aumento de pobres e negros nas faculdades e, portanto, em empregos melhores, aumento dos pobres, Deus do Céu, andando de avião, entre outros.

Ocorre, contudo, que os direitistas não se entendem. O coro está desafinado. Nas eleições, o PSDB, depois de anos criticando o Programa, afirmou que não só manteria como aumentaria o Bolsa Família. Foi além: garantiu que a paternidade do Programa, tantas vezes contestado, era do FHC.

Elogiou a política de cotas sociais e raciais. Não pôde, num contudo lamentado, requerer o pioneirismo dessas iniciativas, mas garantiu que, no eventual governo tucano, essas medidas positivas seriam mantidas. Claro que o PSDB prometeu, também, manter o Programa Minha Casa Minha Vida. Não me lembro de ter visto, mas é possível que o Aécio até tenha dito que faria um esforço para baixar ainda mais os juros da casa própria aos carentes.

Leia aqui todos os textos de Delmar Bertuol

Mas o PSDB esqueceu de combinar com os seus militantes (por militantes tucanos, leiam antipetistas de toda ordem) os discursos. Enquanto o Aécio se esforçava para convencer os eleitores de que os programas sociais seriam mantidos e aumentados em seu governo, os "militantes" tucanos enchiam as redes sociais de pedidos de votos no 45, para acabar com esse privilégio de cotas, com esse incentivo à vagabundagem que é o Bolsa Família e pelo fim da classe média pagar a conta do assistencialismo governamental.

Quem quer casa, que trabalhe para consegui-la. Se, nos programas televisivos, o Aécio já não convencia muita gente, seus cabos eleitorais voluntários lhe atrapalharam ainda mais.

Aécio também se esforçava em dizer que era de esquerda. Mostrava-se ofendido, inclusive, quando insinuavam o contrário. Novamente, não houve combinação quanto à ideologia a ser adotada num governo tucano. Eleitores do Aécio gritavam: chega de socialismo! Chega de comunismo! Chega, enfim, de esquerda. Ou, como é típico da direita: esquerda e direita não existem mais. Ou, num paradoxo também típico da direita, argumentavam as duas coisas. Uma após outra.

Agora, com esses movimentos anti-PT, digo, anticorrupção, novamente a direita parece não encontrar um uníssono. Saem todos juntos à rua e até dividem a cerveja long neck de oito reais e a selfie, mas os discursos são destoantes. É mais ou menos como ocorria na eleição: o que importa é tirar o PT do poder, o como não é importante.

Nas eleições, os antipetistas chegaram a achar que a Marina era a melhor opção. Mas seus discursos eram tão contraditórios que nem ela se convencia do que falava (mais ou menos como o Aécio convencer-se que é de esquerda). Voltaram, então, ao sorridente e jovial peessedebista. Agora, nas manifestações contra o PT, digo, contra a corrupção, os discursos coexistem e andam lado a lado, numa contradição que só nossa direita consegue fazer.

Manifestantes pedem a volta da ditadura alegando que isso é democraticamente legítimo. Outros, logo ali do lado, acusam o PT de tentar implantar uma ditadura bolivariana (não peça para o manifestante explicar o que é isso, pois ele não sabe). De início, o Senador Ronaldo Caiado, do PFL (cujos membros, hoje, querem ser chamados de democratas, mas apoiaram a Ditadura) defendeu o impítiman (não sei escrever impeachment) da Presidenta.

O Aécio Neves, de novo ele, sonho dos inconformados, mostrou-se, numa atitude que, de princípio, eu achei que fosse sensatez, agora acho que era cautela de quem desconhece o porvir, disse ser um absurdo o impítimam. Mas as manifestações foram crescendo e os pedidos de afastamento da Presidenta aumentando. O PSDB então, mudou o discurso. Encomendou um parecer jurídico que sustentasse o processo de impeachment (segundo o corretor ortográfico, desta vez acertei). E antes do parecer (que será, indubitavelmente, favorável ao impedimento) estar pronto, os tucanos já defendem o cessamento do mandato legitimamente conquistado.

Óquei. Sabemos todos que os inconformados com a derrota, digo, os manifestantes, querem a saída da Presidenta Dilma porque ela é do PT, digo, porque no governo dela houve corrupção. Mas como querem fazer isso?
Irão aceitar que o Michel Temer assuma, mesmo a maioria não sabendo quem ele é? Ou vão exigir, utilizando um parecer jurídico anômalo encomendado como embasamento, que o Aécio Neves assuma? Ou ainda, pelo bem de nossa democracia, vão seguir a ideia do golpe militar?

A direita brasileira deve primeiro se organizar antes de tentar tomar o poder à força (literalmente, talvez). Em se organizando, deve, de maneira coletiva, rotular-se como tal: somos de direita! Em se assumindo, virão que a população não os quer no poder.
Entenderam, ou precisam de um parecer encomendado para acreditarem?

*Delmar Bertuol é escritor, membro da Academia Montenegrina de Letras, graduando em história e colaborou para Pragmatismo Político

quarta-feira, 22 de abril de 2015

Banda Papagaios do Roque


Dez razões para não comemorar os 50 anos da Globo

No aniversário de 50 anos da Rede Globo, existem pelo menos 10 razões para que todo cidadão comprometido com o desenvolvimento brasileiro e com a democratização da mídia não tenha nada a comemorar

globo 50 anos aniversário
Aniversário de 50 anos da Rede Globo: não há nada o que comemorar (divulgação)

Era para ser uma festa de arromba, com eventos se sucedendo em todo o país. Grande parte do que a TV Globo preparou para comemorar seu cinquentenário, a ser completado no domingo (26/4), está mantido, mas, sem dúvida, não terá o mesmo brilho de outras épocas. Depois dos problemas verificados durante a sessão solene da Câmara dos Deputados em homenagem à emissora, em que três militantes em prol da democratização da comunicação tiveram que ser retirados por seguranças, as festas em locais abertos ou de acesso público estão sendo repensadas. Os cuidados se justificam.

Nunca a audiência da TV Globo, centro do império da família Marinho, esteve tão baixa. O Jornal Nacional, seu principal informativo, que chegou a ter 85% de audiência, agora não passa dos 20%. Suas novelas do horário nobre estão perdendo público para similares da TV Record. No dia 1º de abril aconteceram atos em prol da cassação da concessão da emissora em diversas cidades brasileiras. O realizado no Rio de Janeiro, em frente à sua sede, no Jardim Botânico, foi o mais expressivo e contou com 10 mil pessoas. Número infinitamente maior participou, no mesmo horário, do tuitaço e faceboquiaço "Foraglobogolpista".

Artistas globais e a viúva de Roberto Marinho integram a relação de suspeitos de crimes de evasão fiscal e serão alvo de investigação pela CPI do Senado, criada para analisar a lista de mais de oito mil brasileiros que têm depósitos em contas secretas na filial do banco HSBC, na Suíça. Este escândalo internacional envolve milhares de pessoas em diversos países. A diferença é que fora do Brasil o assunto tem tido destaque e é coberto diuturnamente, enquanto aqui, a mídia, Globo à frente, prefere ignorá-lo ou abordá-lo parcialmente.

Além disso, o conglomerado teria sonegado o Imposto de Renda ao usar um paraíso fiscal para comprar os direitos de transmissão da Copa do Mundo Fifa de 2002. Após o término das investigações, em outubro de 2006, a Receita Federal quis cobrar multa de R$ 615 milhões da emissora. No entanto, semanas depois o processo desapareceu da sede da Receita no Rio de Janeiro. Em janeiro de 2013, uma funcionária da Receita foi condenada pela Justiça a quatro anos de prisão como responsável pelo sumiço. No processo, ela afirmou ter agido por livre e espontânea vontade.

Nem mesmo a campanha filantrópica "Criança Esperança", promovida em parceria com a Unesco, se viu livre de críticas. Um documento datado de 15 de setembro de 2006, liberado pelo site WikiLeaks em 2013, cita que a Rede Globo repassou à Unesco apenas 10% do valor arrecadado desde 1986 com a campanha (à época R$ 94,8 milhões). A emissora garante "desconhecer" essa informação e afirma que "todo o dinheiro arrecadado pela campanha é depositado diretamente na conta da Unesco".

Como se tudo isso não bastasse, ao assumir a postura pró-tucanos durante a campanha eleitoral de 2014, a emissora perdeu parte da régia publicidade oficial com que sempre foi contemplada. O governo não anuncia mais na TV Globo e nem na revista Veja e, pelo menos até o momento, não há indícios de que o quadro esteja prestes a se alterar. Motivos que têm levado cada dia mais repórteres e equipes da emissora a serem alvo de protestos e recebidos aos gritos de "O povo não é bobo. Abaixo a Rede Globo!"

Os protestos contra a Rede Globo, pelo visto, vão continuar e existem pelo menos 10 razões para que os setores comprometidos com a democratização da mídia no Brasil não tenham nada a comemorar neste cinquentenário.

1. Canal 4 estava prometido à Rádio Nacional

Em meados de 1950, Roberto Marinho era apenas um entre os vários empresários da comunicação no país. O magnata da época atendia pelo nome de Assis Chateaubriand e detinha a maior cadeia de jornais, rádios e duas emissoras nascentes de televisão. A rádio líder absoluta de audiência e mais querida do Brasil era a Nacional, a PR-8 do Rio de Janeiro, de propriedade do governo federal. O sucesso da Nacional era tamanho que animou seus dirigentes a solicitar que o então presidente da República lhe concedesse um canal de TV. Constava do currículo da Rádio Nacional já ter feito experiências pioneiras na área, ao ocupar o canal 4 para televisionar (como se dizia na época) dois dos seus programas.

O presidente da República era Juscelino Kubitschek, que considerou justa a reivindicação, uma decorrência natural da liderança da emissora. Na publicação de final de ano em 1956, a direção da Rádio Nacional anunciava para "breve" a entrada no ar da sua emissora, a TV Nacional, canal 4, conforme compromisso assumido por Juscelino. As concessões de canais de rádio e TV eram atribuições exclusivas do ocupante do Executivo Federal.

Os meses se passaram e Juscelino "esqueceu-se" da promessa. No final de 1957, para surpresa da direção da Rádio Nacional, o canal 4 que lhes fora prometido acabou concedido para a inexpressiva Rádio Globo, de Roberto Marinho. A decisão foi condicionada por pressões diretas de Chateaubriand, que aceitava qualquer coisa menos que a Rádio Nacional ingressasse no segmento televisivo, temendo as consequências disso para seus negócios. Neste contexto, o canal ir para Roberto Marinho era um mal menor.

O Brasil perdeu assim a chance histórica de ter, no nascedouro, duas modalidades de televisão: a comercial, representada pelas emissoras de Chateaubriand, e a estatal voltada para o interesse público como seria a da Rádio Nacional.

2. Acordo com a Time-Life feriu interesses nacionais

Ao contrário da Rádio Nacional, que dispunha de todas as condições para colocar no ar sua emissora de TV, a de Roberto Marinho precisou aguardar alguns anos. Para a implantação da TV Globo, a partir de 1961, foi decisivo o apoio do capital internacional, representado pelo gigante da mídia norte-americana Time-Life. A emissora começou a operar de forma discreta em 26 de abril de 1965 e seus primeiros meses foram um fracasso em termos de audiência.

Em junho de 1962, Marinho passou a ser apoiado com milhões de dólares, num episódio que a emissora ainda hoje sustenta que se tratou apenas de "um contrato de cooperação técnica". A realidade, fartamente documentada por Daniel Herz, em sua obra já clássica A história secreta da Rede Globo (1995), prova o contrário. Roberto Marinho e o grupo Time-Life contraíram um vínculo institucional de tal monta que os tornou sócios, o que era vedado pela Constituição brasileira. Foi este vínculo que assegurou à Globo o impulso financeiro, técnico e administrativo para alcançar o poderio que veio a ter.

A importância da ligação com os norte-americanos, nos primórdios da emissora, pode ser avaliada pela declaração do engenheiro Herbert Fiúza, que integrou a sua primeira equipe técnica: "A Globo era inspirada numa estação de Indianápolis, a WFBM. E o engenheiro de lá foi quem montou tudo, porque a gente não sabia nada".

Chateaubriand, que antes havia ficado satisfeito em inviabilizar o canal de TV para a Rádio Nacional, percebeu o risco que suas emissoras passavam a correr. Tanto que dedicou ao "Caso Globo/Time-Life" nada menos do que 50 artigos, todos atacando Roberto Marinho e acusando-o de receber, na época, US$ 5 milhões, repassados em três parcelas, o que representava "uma ofensiva externa contra os competidores internos" (Morais, 1994, p.667).

A repercussão dessas denúncias foi tamanha que a CPI criada pelo Congresso Nacional para apurá-las acabou descobrindo que a TV Globo mantinha não um, mas dois contratos com o grupo Time-Life. Em um deles, os norte-americanos tinham participação de 49%. Em outras palavras, não se tratava de contrato, mas de sociedade. A CPI pôs fim à sociedade. Mas, ao invés de sair penalizada do episódio, a Globo foi duplamente beneficiada: Roberto Marinho ficou com o controle total da emissora e os militares, então no poder, não tomaram qualquer providência contra ela. A TV Globo poderia ter tido sua concessão cassada.

3. O apoio à ditadura militar (1964-1985)

Nos anos 1960, o Brasil era visto pelos Estados Unidos como sua área de influência direta. E a TV Globo foi fundamental para trazer para cá o way of life norte-americano juntamente com o seu modelo de televisão. A TV comercial, um dos tipos de emissora existentes no mundo, adquire aqui o status de única modalidade de TV. Não por acaso, Murilo Ramos (2000, p.126) caracteriza o surgimento da TV Globo como sendo "a primeira onda de globalização da televisão brasileira", que, concentrada num único grupo local, monopolizou a audiência e teve forte impacto político e eleitoral ao longo das décadas seguintes.

Durante quase 20 anos, TV Globo e governos militares viveram uma espécie de simbiose. Os militares, satisfeitos por verem nas telas da Globo apenas imagens e textos elogiosos ao "país que vai para a frente", retribuíam com mais e mais benesses e privilégios para a emissora. A partir de dezembro de 1968, com a edição do AI-5, o país mergulhou no "golpe dentro do golpe", com prisão e perseguição a todos os considerados inimigos e adversários do regime e a adoção de censura prévia aos veículos de comunicação.

A TV Globo enfrentou alguns casos de censura oficial em suas telenovelas, mas o que prevaleceu na emissora foi o apoio incondicional de sua direção aos militares no poder e a autocensura por parte da maioria de seus funcionários.

Ainda hoje não falta quem se recorde de situações patéticas em que o então apresentador do Jornal Nacional, Cid Moreira, mostrava aos milhares de telespectadores brasileiros cenas de um país que se constituía "em verdadeira ilha de tranquilidade", enquanto centenas de militantes de esquerda eram perseguidos, presos, torturados ou mortos nas prisões da ditadura. Some-se a isso que a TV Globo sempre se esmerou em criminalizar quaisquer movimentos populares.

4. O combate permanente às TVs Educativas

Desde 1950 que as elevadas taxas de analfabetismo vigentes no Brasil eram uma preocupação constante para setores nacionalistas e de esquerda. Uma vez no poder, algumas alas militares viram na radiodifusão um caminho para combater a subversão e, ao mesmo tempo, promover a integração nacional. O resultado disso foi que, em 1965, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) solicita ao Conselho Nacional de Telecomunicações a reserva de 48 canais de VHF e 50 de UHV especificamente para a televisão educativa.

O número era dos mais significativos e poderia ter representado o começo de canais voltados para os interesses da população, a exemplo do que já acontecia em outras partes do mundo. Pouco depois do decreto ser publicado, Roberto Marinho começa a agir para reduzir sua eficácia. E, na prática, conseguiu seu intento. O decreto-lei nº 236, de março de 1967, se, por um lado, formalizava a existência das emissoras educativas, por outro criava uma série de obstáculos para que funcionassem. O artigo 13, por exemplo, obrigava essas emissoras a transmitir apenas "aulas, conferências, palestras e debates", ao mesmo tempo em que proibia qualquer tipo de propaganda ou patrocínio a seus programas. Traduzindo: as TVs Educativas estavam condenadas à programação monótona e à falta crônica de recursos.

Como se isso não bastasse, o artigo seguinte fechava o cerco a essas emissoras, determinando que somente pudessem executar o serviço de televisão educativa a União, os estados, municípios e territórios, as universidades brasileiras e alguns tipos de fundações. Ficavam de foram, por exemplo, sindicatos e as mais diversas entidades da sociedade civil.

Dez anos após este decreto-lei, apenas seis emissoras educativas tinham sido criadas no país, número muito distante dos 98 canais disponíveis. As emissoras educativas não conseguiam avançar, esbarrando na legislação que lhes obrigava a viver exclusivamente do minguado orçamento oficial, ao passo que as televisões comerciais, em especial a Globo, experimentavam crescimento sem precedentes. Crescimento que contribuiu para cristalizar, em parcela da população brasileira, a convicção de que a emissora de Roberto Marinho era sinônimo de qualidade.

5. O programa global de telecursos

Oficialmente, o projeto tinha o nome de Educação Continuada por Multimeios e envolvia um convênio entre a Secretaria de Cooperação Econômica e Técnica Internacional (Subin) da Secretaria de Planejamento da Presidência da República, o BID, a Fundação Roberto Marinho (FRM) e a Fundação Universidade de Brasília (FUB). Aparentemente, o seu objetivo era nobre: "O atendimento à educação de população de baixa renda do país, mediante a utilização e métodos não tradicionais de ensino".

Na versão inicial, o convênio tinha 15 cláusulas, com a FRM assumindo a condição de entidade executora e a FUB a de sua coexecutora. Na prática, o convênio ficou conhecido como Programa Global de Telecursos e atendia exclusivamente aos interesses da FRM. Através dele, a FRM pretendia, sem qualquer custo, apoderar-se do milionário "negócio" da teleducação no Brasil. Para tanto, esperava contar com recursos nacionais e internacionais inicialmente da ordem de US$ 5 milhões embutidos em um pacote de U$S 20 milhões solicitados pela Subin ao BID, no início de 1982.

A parceria com a FUB era importante por ela ser uma entidade voltada para o ensino público e estar isenta de impostos para a importação dos equipamentos necessários à montagem de um centro de produção televisiva a custo zero. Em outras palavras, a FRM pretendia tornar-se a administradora da verba (nacional e internacional) destinada às televisões educativas no Brasil, geridas pela Funtevê, entidade governamental. Imediatamente, a Funtevê deixou nítido que o convênio exorbitava as competências da FRM e da própria UnB. É importante assinalar que pela UnB um dos raros entusiastas deste convênio era o seu então reitor, capitão de mar-e-guerra José Carlos Azevedo.

A discussão em torno deste convênio e da tentativa das Organizações Globo de apropriarem-se dos recursos destinados às TVs educativas brasileiras ganham a imprensa nacional no final de 1982 e início de 1983. Matéria publicada pelo jornal Folha de S.Paulo (17/04/1983), sob o título de "Globo poderá monopolizar teleducação", tratava o assunto em forma de denúncia. O "tiroteio" entre os jornais Globo e Folha de S.Paulo durou vários meses e o convênio, que acabou não sendo assinado, só foi sepultado três anos depois, com o fim do regime militar. Sem muita cerimônia, o então secretário-executivo da FRM, José Carlos Magaldi, chegou a admitir que "é óbvio que não fazemos teleducação por patriotismo".

Esta não foi a primeira e nem a última tentativa das Organizações Globo de se apoderarem da teleducação no Brasil. Aliás, a FRM tem, nos dias atuais, representado o Brasil em vários fóruns internacionais sobre educação e teleducação. O MEC sabe disso?

6. O caso Proconsult e o combate a Leonel Brizola

Antes dos petistas, Leonel Brizola foi um dos políticos brasileiros mais combatidos pela TV Globo e por seu fundador, Roberto Marinho. Marinho nunca o perdoou pelo fato de ter comandado a Rede da Legalidade, nome que receberam as emissoras de rádio que, quando da renúncia de Jânio Quadros à presidência da República, em 1961, passaram a defender a posse de seu vice, João Goulart. Brizola, então governador do Rio Grande do Sul, era cunhado de Goulart.

Com a vitória do golpe civil-militar de 1964, Brizola foi para o exílio e só pode retornar ao Brasil com a anistia, em 1979. Político com fortes compromissos populares, em 1982 disputou o governo do Rio de Janeiro, pelo PDT, partido criado por ele.

O caso Proconsult foi uma tentativa de fraude nas eleições de 1982 para impossibilitar a vitória de Brizola. Consistia em um sistema informatizado de apuração dos votos, feito pela empresa Proconsult, associada a antigos colaboradores do regime militar. A mecânica da fraude consistia em transferir votos nulos ou em branco para que fossem contabilizados para o candidato apoiado pelas forças situacionistas, Moreira Franco, do então PDS.

As regras da eleição de 1982 impunham que todos os votos (de vereador a presidente da República) fossem em um mesmo partido. Portanto, estimava-se um alto índice de votos nulos. Os indícios de que os resultados seriam fraudados surgiram da apuração paralela contratada pelo PDT à empresa Sysin Sistemas e Serviços de Informática, que divergiam completamente do resultado oficial. Outra fonte que obtinha resultados diferentes dos oficiais foi a Rádio Jornal do Brasil. Roberto Marinho foi acusado de participar no caso.

A fraude foi extensamente denunciada pelo Jornal do Brasil, na época o principal concorrente de O Globo no Rio e relatada posteriormente pelos jornalistas Paulo Henrique Amorim, Maria Helena Passos e Eliakim Araújo no livro Plim Plim, a peleja de Brizola contra a fraude eleitoral (Conrad Editores, 2005). Devido à participação de Marinho no caso, a tentativa de fraude é analisada no documentário britânico Beyond Citizen Kane, de 1993. A TV Globo, por sua vez, defendeu-se argumentando que não havia contratado a Proconsult e que baseava a totalização dos votos daquela eleição na totalização própria que O Globo estava fazendo.

Em 1994, Brizola venceu novamente Roberto Marinho e a TV Globo ao obter, na Justiça, direito de resposta na emissora. Em 15 de março, um constrangido Cid Moreira (que por 27 anos esteve à frente da bancada do Jornal Nacional) leu texto de 440 palavras que a Justiça obrigou a TV Globo a divulgar em seu telejornal mais nobre.

Foram cerca de três minutos nos quais Cid Moreira, a cara do JN, incorporou Leonel Brizola, então governador do Rio de Janeiro, no mais célebre e então inédito direito de resposta, que abriu caminho para que outros cidadãos buscassem amparo legal contra barbaridades cometidas pela mídia brasileira.

7. Ignorou as Diretas-Já

O PMDB lançou, em dezembro de 1983, uma campanha nacional em apoio à emenda do seu deputado Dante de Oliveira (MT) que restabelecia as eleições diretas no país com o slogan "Diretas-Já". O primeiro grande comício aconteceu em São Paulo, em 25 de janeiro do ano seguinte, e coincidiu com o 430º aniversário da cidade. A TV Globo ignorou o comício que reuniu milhares de pessoas na Praça da Sé. Reportagem do Fantástico sobre o assunto falava apenas em comemorações do aniversário de São Paulo. Omissões semelhantes aconteceram em relação a outros comícios pelas Diretas-Já em cidades como Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador.

De acordo com o ex-vice-presidente das Organizações Globo, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, em entrevista ao jornalista Roberto Dávila, na TV Cultura, em dezembro de 2005, foi o próprio Roberto Marinho quem determinou a censura ao primeiro grande comício da campanha pelas Diretas-Já. Segundo Boni, àquela altura "o doutor Roberto não queria que se falasse em Diretas-Já" e decidiu que o evento da Praça da Sé fosse transmitido "sem nenhuma participação de nenhum dos discursantes". Para Boni, aliás, no caso das Diretas-Já houve uma censura dupla na Globo: "Primeiro, uma censura da censura; depois, uma censura do doutor Roberto".

A versão de Boni é diferente da que aparece no livro Jornal Nacional – A Notícia Faz História, publicado pela Jorge Zahar em 2004, e que representa a versão da própria Globo para a história de seu jornalismo. O texto não faz referência alguma a uma intervenção direta de censura por parte de Roberto Marinho. Aliás, a Globo vem tentando reescrever a sua história e, ao mesmo tempo, reescrever a própria história brasileira. Isto fica nítido, por exemplo, quando se compara a história brasileira com a versão que é publicada pela Globo através dos verbetes do Memória Globo. Pelo visto, a emissora aposta na falta de memória e na pouca leitura da maioria dos brasileiros para emplacar a sua versão dos fatos. Foi a partir da campanha das Diretas-Já que teve início a utilização, pelos diversos movimentos populares, do bordão "O povo não é bobo. Abaixo a Rede Globo".

8. Manipulação do debate Collor x Lula

Na eleição de 1989, a primeira pelo voto direto para presidente da República desde 1964, a TV Globo manipulou o debate entre o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva e o do PRN, Fernando Collor. O debate era o último e decisivo antes da eleição. No telejornal da hora do almoço, a TV Globo fez uma edição equilibrada do debate. Para o Jornal Nacional, houve instruções para mudar tudo e detonar Lula. Foram escolhidos os piores momentos de Lula e os melhores de Collor. Ainda foram divulgadas pesquisas feitas por telefone segundo as quais Collor havia vencido. Além disso, o jornalista Alexandre Garcia leu um editorial nitidamente contra Lula e o PT.

Desde então, pesquisas e estudos sobre este "caso clássico de manipulação da mídia" têm sido feitas no Brasil, destacando-se as realizadas pelo sociólogo, jornalista e professor aposentado da UnB Venício A. Lima.

Apesar dos esforços da TV Globo para manter a versão de que a edição deste debate foi equilibrada, novamente seu ex-diretor José Bonifácio Sobrinho contribuiu para derrubá-la. Depois de abordar o assunto em entrevistas à imprensa, por ocasião do lançamento de seu livro de memórias, o ex-dirigente global deu entrevista à própria GloboNews, canal pago da emissora, na qual admitiu, para o jornalista Geneton Moraes Neto, que, durante os debates da campanha presidencial transmitidos pela Globo em 1989, tentou ajudar o candidato alagoano. Para muitos, Boni só fez esta "revelação bombástica", que quase todos já sabiam, para tentar promover seu livro.

9. Contra a democratização da mídia

Todos os países democráticos possuem regulação para rádio e televisão. Na Grã-Bretanha, por exemplo, a mídia e sua regulação caminharam juntas. O mesmo pode ser dito em relação aos Estados Unidos, França, Itália e Japão. Nestes países, tão admirados pelas elites brasileiras, nunca ninguém fez qualquer vínculo entre regulação e censura, simplesmente porque ele não existe. No Brasil, onde a mídia em geral e a audiovisual em particular vive numa espécie de paraíso desregulamentado, toda vez que um governo tenta implementar o que existe no resto do mundo é acusado de ditatorial e de querer implantar a censura.

Quando, em 2004, o governo do presidente Lula enviou ao Congresso Nacional projeto de lei criando o Conselho Nacional de Jornalismo, uma espécie de primeiro passo para esta regulação, foi duramente criticado pela mídia comercial, TV Globo à frente. Desde sempre, as Organizações Globo foram contrárias a qualquer legislação que restringisse o poder absoluto que desfruta a mídia no Brasil. Prova disso é que os dispositivos do Capítulo V da Constituição brasileira, que trata da Comunicação Social, continuam até hoje sem regulamentação.

Entre outros aspectos, o Capítulo V proíbe monopólios e oligopólios por parte dos meios de comunicação, determina que a programação das emissoras de rádio e TV deva dar preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas. O capítulo enfatiza, ainda, que as emissoras e rádio e TV devem promover a cultura nacional e regional, além de estimularem a produção independente. Todos esses aspectos mostram como a TV Globo está na contramão de tudo o que significa uma comunicação democrática e plural.

Aliás, os compromissos dos mais diversos movimentos sociais brasileiros com a regulação da mídia foram reafirmados durante o 2º Encontro Nacional pelo Direito à Comunicação, promovido pelo Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação, de 10 a 12 de abril, em Belo Horizonte. O evento reuniu 682 participantes entre ativistas, estudantes, militantes, jornalistas, estudiosos, pesquisadores, representantes de entidades e coletivos de todo o Brasil. Presente ao encontro esteve também o canadense Toby Mendel, consultor da Unesco e diretor-executivo do Centro de Direitos e Democracia.

A carta final do encontro, intitulada "Regula Já! Por mais democracia e mais direitos", disponível na página da entidade (www.fndc.org.br), reafirma "a luta pela democratização da comunicação como pauta aglutinadora e transversal, além de conclamar as entidades e ativistas a unirem forças para pressionar o governo a abrir diálogo com a sociedade sobre a necessidade de regular democraticamente o setor de comunicação do país".

10. Golpismo

Para vários pesquisadores e estudiosos sobre movimentos sociais no Brasil, a mídia, em especial a TV Globo, tem tido um papel protagonista nas manifestações contra a presidente Dilma Rousseff. Alguns chegam mesmo a afirmar que dificilmente essas manifestações teriam repercussão se não fosse o empenho Rede Globo (saiba mais aqui). Em outras palavras, a Rede Globo, tão avessa à cobertura de qualquer movimento popular, entrou de cabeça na transmissão destas manifestações.

*Ângela Carrato é jornalista e professora do Departamento de Comunicação Social da UFMG

terça-feira, 21 de abril de 2015

A arte de escrever... só que não

A arte de escrever para idiotas

A arte de escrever para idiotas está evoluindo ao longo do tempo e seus artistas passam da posição de retóricos de baixa categoria para príncipes dos meios de comunicação de massa

escrever mentira mídia desonesta idiota acredita

Marcia Tiburi e Rubens Casara, Cult

Em nossa cultura intelectual e jornalística surge uma nova forma retórica. Trata-se da arte de escrever para idiotas que, entre nós, tem feito muito sucesso. Pensávamos ter atingido o fundo do poço em termos de produção de idiotices para idiotas, mas proliferam subformas, subgêneros e subautores que sugerem a criação de um nova ciência.

Estamos fazendo piada, mas quando se trata de pensar na forma assumida atualmente pela "voz da razão" temos que parar de rir e começar a pensar.

Artigos ruins e reacionários fazem parte de jornais e revistas desde sempre, mas a arte de escrever para idiotas vem se especializando ao longo do tempo e seus artistas passam da posição de retóricos de baixa categoria para príncipes dos meios de comunicação de massa. Atualmente, idiotas de direita tem mais espaço do que idiotas de esquerda na grande mídia. Mas isso não afeta em nada a forma com que se pode escrever para idiotas.

Diga-se, antes de mais nada, que o termo idiota aqui empregado guarda algo de seu velho uso psiquiátrico. Etimologicamente, "idiota" tem relação com aquele que vive fechado em si mesmo. Na psiquiatria, a idiotia era uma patologia gravíssima e que, em termos sociais, podemos dizer que continua sendo.

Uma tipologia psicossocial entra em jogo na história, baseada em dois tipos ideais de idiotas: o idiota de raiz, dentre os quais se destaca a subcategoria do idiota representante do conhecimento paranoico, e o neo-idiota, com destaque para o "idiota" mercenário que lucra com a arte de escrever para idiotas.

Vejamos quem são:

1- Idiota de raiz é fruto de um determinismo: ele não pode deixar de ser idiota. Seja em razão da tradição em que está inserido ou de um déficit cognitivo, trata-se de um idiota autêntico.

O Idiota de raiz divide-se em três subtipos:

1. 1 – Ignorante orgulhoso: não se abre à experiência do conhecimento. Repete clichês introduzidos no cotidiano pelos meios de informação que ele conhece, a televisão e os jornais de grande circulação, em que a informação é controlada. Sua formação é "midiatizada", mas ele não sabe disso e se orgulha do que lhe permitem conhecer. No limite, o ignorante orgulhoso diz "sou fascista", sem conhecer a experiência do fascismo clássico da década de 30 e o significado atual da palavra, assim como é capaz de defender sem razoabilidade alguma ideias sobre as quais ele nada sabe. Um exemplo muito atual: apesar da violência não ter diminuído nos países que reduziram a maioridade penal, a ignorância da qual se orgulha o idiota, o faz defender essa medida como solução para os mais variados problemas sociais. Ele se aproxima do "burro mesmo" enquanto imita o representante do conhecimento paranoico, apresentados a seguir.

1.2 – "Burro mesmo": não há muito o que dizer. Mesmo com informação por todos os lados, ele não consegue juntar os pontinhos. Por exemplo: o "burro mesmo" faz uma manifestação "democrática" para defender a volta da ditadura. Para bom entendedor, meia palavra…

1.3 – Representante do conhecimento paranoico: tendo estudado ou sendo autodidata, o representante do conhecimento paranoico pode ser, sob certo aspecto, genial. Freud comparava, em sua forma, a paranoia a uma espécie de sistema filosófico. O paranoico tem certezas, a falta de dúvida é o que o torna idiota. Se duvidasse, ele poderia ser um filósofo. O conhecimento paranoico cria monstros que ele mesmo acredita combater a partir de suas certezas. O comunismo, o feminismo, a política de cotas ou qualquer política que possa produzir um deslocamento de sentido e colocar em dúvida suas certezas, ocupa o lugar de monstro para alguns paranoicos midiaticamente importantes.

Curioso é que o representante do conhecimento paranoico pode parecer alguém inteligente, mas seu afeto paranoico o impede de experimentar outras formas de ver o mundo, abortando a potência de inteligência, que nele é, a todo momento, mortificada. Isso o aproxima do "ignorante orgulhoso" e do "burro mesmo".

Em termos vulgares e compreensíveis por todos: ele é a brochada da inteligência.

2 – Neo-idiota: o neo-idiota poderia não ser um idiota, mas sua escolha, sua adesão à tendência dominante, o coloca nesse lugar. Não se pode esquecer que, além de cognitiva, a inteligência é uma categoria moral. O neo-idiota não é apenas um idiota, mas também um canalha em potencial.

Há dois subtipos de neo-idiota:

2.1 – O "idiota" mercenário quer ganhar dinheiro. Ele serve aos interesses dominantes, mas é um idiota como outro qualquer, porque não ganha tanto dinheiro assim quando vende a alma.

Nessa categoria, prevalece o mercenário sobre o idiota. Por isso, podemos falar de um idiota entre aspas. Ganha dinheiro falando idiotices para os idiotas que o lerão. Seu leitor padrão divide-se entre o "burro mesmo" e o "idiota cool". Ele escreve aquilo que faz o "burro mesmo" pensar que é inteligente. O idiota cool, por sua vez, se sente legitimado pelo que lê. O que revela a responsabilidade do idiota mercenário no crescimento do pensamento autoritário na sociedade brasileira. Apresentar Homer Simpson ou qualquer outro exemplo de "burro mesmo" como modelo ideal de telespectador ou leitor é paradigmático nesse contexto.

2.2 – O "idiota cool" lê o que escreve o idiota mercenário. Repete suas ideias na esperança de ser aceito socialmente. De ter um destaque como sujeito de ideias (prontas). Ele gosta de exibir sua leitura do jornal ou do blog e usa as ideias do articulista (do representante do conhecimento paranoico ou do idiota mercenário) para tornar-se cool. Ele segue a tendência dominante. Ao contrário do "burro mesmo", nele sobressai o esforço para estar na moda. Como, diferentemente dos seus ídolos, ele não escreve em jornais ou blogs famosos, ele transforma o Facebook e outras redes sociais no seu palco.

Diante disso, temos os textos produzidos a partir da altamente falaciosa arte de escrever para idiotas. O sucesso que alcançam tais textos se deve a um conjunto de regras básicas. Identificamos dez, mas a capacidade para escrever idiotices tem se revelado engenhosa e não deve ser menosprezada:

1- Tratar como idiota todo mundo que não concorda com as idiotices defendidas. O texto é construído a partir do narcisismo infantil do articulista. O autor sobressai no texto, em detrimento do argumento. Assim ele reafirma sua própria imagem desqualificando a diferença e a inteligência para vender-se como inteligente.

2- Não deixar jamais que seu leitor se sinta um idiota. Sustentar idiotices com as quais o leitor (o burro mesmo, o ignorante orgulhoso e o idiota cool) se identifique, o que faz com que o mesmo se sinta inteligente.

3- Abordar de forma sensacionalista qualquer tema. Qualquer assunto, seja socialmente relevante ou não, acaba sendo tratado de maneira espetacularizada.

4- Transformar temas desimportantes em instrumentos de ataque e desqualificação da diferença. Por exemplo, a "depilação feminina" já foi um assunto apresentado de modo enervante, excitante, demonizante e estigmatizante. Nesse caso, o preconceito de gênero escondeu a falta de assunto do articulista.

5- Distorcer fatos históricos adequando-os às hipóteses do escritor. Em uma espécie de perversão inquisitorial, o acontecimento acaba substituído pela versão distorcida que atende à intenção do autor do texto para idiotas.

6- Atacar alguém. Este é um dos aspectos mais importantes da arte de escrever para idiotas. A limitação argumentativa esconde-se em ataques pessoais. Cria-se um inimigo a ser combatido. O inimigo é o mais variado, mas sempre alguém que representa, na fantasia do escritor, o ideal contrário ao dos seus leitores (os idiotas: o burro mesmo, o ignorante orgulhoso e o idiota cool).

7- Reduzir tudo a uma visão maniqueísta. Toda complexidade desaparece nos textos escritos para idiotas. O mundo é apresentado como uma luta entre o bem e o mal, o certo e o errado, o comunismo e o capitalismo ou Deus e o Diabo.

8- Desconsiderar distinções conceituais. Nos textos escritos para idiotas, conservadores são apresentados como liberais, comunistas são confundidos com anarquistas, etc.

9- Investir em clichês e ideias fixas. Clichês são pensamentos prontos e de fácil acesso. Sem o esforço de reflexão crítica, os clichês dão a sensação imediata de inteligência. Da mesma maneira, o recurso às ideias fixas é uma estratégia para garantir a atenção do leitor idiota (o burro mesmo, o ignorante orgulhoso e o idiota cool) e reforçar as "certezas" em torno das hipóteses do escritor (nesse particular, Goebbels, o chefe da propaganda de Hitler, foi bem entendido).

10-Escrever mal. A pobreza vernacular e as limitações gramaticais são essências na arte de escrever para idiotas. O leitor idiota não pode ser surpreendido, pois pode se sentir ofendido com algo mais inteligente do que ele. Ele deve ser capaz de entender o texto ao ler algo que ele mesmo pensa ou que pode compreender. Deve ser adulado pela idiotice que já conhece ou que o escritor quer que ele conheça.
(Para além do que foi identificado acima, fica a questão para quem deseja escrever para idiotas: como atingir a pobreza essencial na forma e no conteúdo que concerne a essa arte?)

A arte de escrever para idiotas constitui parte importante da retórica atual do poder. Saber é poder, falar/escrever é poder, e o idiota que fala e é ouvido, que escreve e é lido, tem poder. O empobrecimento do debate público se deve a essas "cabeças de papelão", fato que é identificado tanto por pensadores conservadores quanto por progressistas.

O grande desafio, portanto, maior do que o confronto reducionista entre direita e esquerda, desenvolvimentistas e ecologistas, governistas e oposicionistas, entre machistas e feministas, parece ser o que envolve os que pensam e os que não pensam. Sem pensamento não há diálogo possível, nem emancipação em nível algum.

Se não houver limites para a idiotice, ao contrário da esperança que levou a escrever esse texto, resta isolar-se e estocar alimentos.

http://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/04/a-arte-de-escrever-para-idiotas.html

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Professor da Universidade de Columbia elogia o Bolsa Família

"Eu, como economista, vejo as evidências empíricas e concluo que esses programas têm um alto retorno social e econômico. Mas o debate no Brasil é muito envenenado, quem não recebe Bolsa Família acha que quem recebe deveria perder esse direito, que o dinheiro é dado em troca de nada, que estamos diminuindo o esforço e trabalho no setor mais pobre"

bolsa família professor columbia
Economista de Columbia defende Bolsa Família: "Deveria ser preservado". Thomas Trebat é professor de uma das mais renomadas universidades norte-americanas (divulgação)

Fórum

Em entrevista à TV Folha, o economista Thomas Trebat, diretor do Columbia Global Center Latin America e professor da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, defendeu o programa Bolsa Família, do governo federal.

Trebat falou sobre a carga tributária brasileira, que, em sua avaliação, é extremamente alta. "Tem que olhar mais para a sociedade brasileira, porque a carga tributária nada mais é que a outra face da moeda [dos governantes], a demanda por serviços do Estado", afirmou. Para ele, deveria ser promovido o debate sobre os serviços que seriam "dispensáveis" à população, para que o Estado ficasse menos sobrecarregado.

Ele criticou, entretanto, os setores sociais que querem cortar apenas os benefícios alheios, nunca os seus próprios. Neste momento, iniciou-se a discussão sobre o Bolsa Família. "Eu, como economista, vejo as evidências empíricas, vejo o gasto, vejo o resultado, e concluo que esses programas são razoáveis, têm um alto retorno social e econômico. Mas o debate no Brasil é muito envenenado, quem não recebe Bolsa Família acha que quem recebe deveria perder esse direito, que o dinheiro é dado em troca de nada, que estamos diminuindo o esforço e trabalho no setor mais pobre", declarou.

"Mas não houve um debate rico na sociedade de entender, como eu acho que pode ser demonstrado, que o Bolsa Família é bom para todo mundo, não é apenas uma caridade, uma benevolência de um governo interessado. Esse tipo de gasto deveria ser preservado", argumentou. "O que estou assinalando é que o fato de que a Bolsa não vai para a classe média ou classe média alta faz com que elas se oponham e queiram cortar esse gasto. Mas o que favorece a classe média – como acesso gratuito à universidade, subsídios, pensões, emprego público – não querem de jeito nenhum cortar. Esses gastos eles acham super produtivos. É até um direito do cidadão de classe média".

Pensamento Raso

Sheherazade culpa Dilma e Zuckerberg por queda de audiência em sua página

#‎CensuraPetistaDetected‬. A apresentadora Rachel Sheherazade virou piada nas redes sociais após atribuir a queda de audiência em sua página do Facebook ao encontro entre Dilma Rousseff e Mark Zuckerberg

sheherazade dilma mark facebook
Sheherazade reclama de encontro entre Dilma e Zuckerberg

A apresentadora do Jornal do SBT, Rachel Sheherazade, decidiu culpar Dilma Rousseff e Mark Zuckerberg pelo declínio do alcance de sua página no Facebook. De acordo com Sheherazade, que também apresenta um programa na rádio Jovem Pan, o encontro entre a atual presidente do Brasil e o fundador da maior rede social do mundo culminou na queda de audiência da sua fanpage.

"Sofremos uma brusca diminuição no alcance de nossa página e recebemos inúmeras denúncias de casos parecidos. Será que isso tem algo a ver com a visitinha da Presidente ao Mark Zuckerberg? #‎CensuraPetistaDetected‬", escreveu a apresentadora.

A título de comparação, a página de Pragmatismo Político no Facebook também sofreu alguma perda no alcance dos usuários. A propagação das publicações não chega sequer a 5% dos internautas que acompanham a fanpage e esta é uma política clara da rede social, com o objetivo de estimular a prática de postagens pagas.

A teoria da apresentadora foi repercutida na internet em tom de deboche. Alguns internautas lembraram ainda da discussão acalorada que a jornalista travou, também esta semana, com Emílio Surita, do Programa Pânico:

Pensamento raso

A apresentadora do SBT tem se notabilizado na web pela disseminação de mensagens superficiais. No início do mês, Rachel Sheherazade foi acusada de abusar do bom senso ao emitir declarações simplistas para justificar sua posição em defesa da redução da maioridade penal no Brasil.

Em janeiro, ao comentar o fuzilamento do brasileiro Marco Archer, Sheherazade se referiu à Indonésia como "um país sério" e criticou tentativa da diplomacia brasileira de negociar a suspensão da execução. "Se fosse preso no Brasil, Archer seria acolhido pela condescendência do nosso Código Penal. Mas, deu azar de ser flagrado num país sério, onde a Justiça dá o exemplo: aqui se faz, aqui se paga", desabafou.

A preferida

Em pesquisa realizada na manifestação pelo impeachment de Dilma Rousseff no último domingo, 12, na avenida paulista, manifestantes elegeram Rachel Sheherazade como a representante da imprensa com o maior nível de confiabilidade. Reinaldo Azevedo, da revista Veja, aparece em segundo lugar.

quinta-feira, 16 de abril de 2015

Por que e a quem Paulo Freire incomoda?

"Ao invés de 'basta de Paulo Freire', precisamos de mais Paulo Freire para um país mais decente". Especialistas explicam por que o patrono da educação brasileira incomoda conservadores e desavisados

paulo freire educação brasil
Paulo Freire (Arquivo)

Ana Luiza Basílio, Centro de Referências em Educação Integral

"Chega de doutrinação marxista. Basta de Paulo Freire". "É preciso colocar Paulo Freire em seu devido lugar, que é o lixo da história". Esses foram alguns ecos decorrentes das manifestações contra o governo no mês de março, que reuniram pessoas nas ruas de várias capitais brasileiras.

Por que Paulo Freire incomoda? A quem? O que esses discursos revelam? Levamos os questionamentos a alguns especialistas, com o intuito de resgatar parte da história e da contribuição do educador pernambucano, declarado patrono da educação brasileira em 2012, pela lei 12.612, sancionada pela presidente Dilma Rousseff.

O lugar de Paulo Freire

Para o professor titular da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP) e diretor do Instituto Paulo Freire, Moacir Gadotti, é preciso rigor para falar de Paulo Freire. Ele relembra as incontáveis publicações e referências ao educador, algumas disponíveis na internet, e completa: "ele tem um lugar no mundo garantido pelo reconhecimento do seu trabalho, com contribuições na educação, nas artes, nas ciências e até na engenharia".

Por isso, avaliá-lo somente como educador não basta, opina o professor emérito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Miguel Arroyo. "A radicalidade dele tem que ser entendida dentro de nossa história", garante. Daí a necessidade de se reivindicar o lugar de Paulo Freire. "Sobretudo por parte dos educadores populares que assumem, para além de suas ideias, as concepções de mundo que estão por trás delas", reflete Gadotti.

Uma pedagogia concreta

O rechaço a Paulo Freire não é novidade e tampouco recente. Tem início já nos fins dos anos 50 e começo da década de 60, momento em que o educador idealiza a educação popular e realiza as primeiras iniciativas de conscientização política do povo, em nome da emancipação social, cultural e política das classes sociais excluídas e oprimidas. Sua metodologia dialógica foi considerada perigosamente subversiva pelo regime militar, o que rendeu a Freire o exílio. O educador, entretanto, não deixou de produzir e nesse período escreveu algumas de suas principais obras, dentre elas, a Pedagogia do Oprimido.

Arroyo entende que as manifestações atuais contra o educador só mostram que os setores conservadores continuam tão reacionários quanto na época da ditadura. "E isso surge em um momento em que o partido político que está no poder foi eleito, majoritariamente, pelo cidadão pobre, negro, nordestino. A rejeição a Freire, a meu ver, revela uma questão premente de nossa história de reconhecer ou não o povo como sujeito de direitos", garante, ponto sobre o qual o educador se apoia para chamar a pedagogia freiriana de "pedagogia dos oprimidos concretos".

"O que caracteriza a nossa história é não reconhecer os indígenas, os negros, os pobres, os camponeses, os quilombolas, os ribeirinhos e os favelados como sujeitos humanos", condena o educador.Em sua análise, essa crença serviu, ao longo da história, como justificativa ideológica para que as classes dominantes escravizassem e espoliassem esses setores sociais. "Tudo isso a partir de uma visão de que somos o símbolo da cultura, civilidade e os outros a expressão da sub-humanidade, subcultura, imoralidade. É isso que nos acompanha ao longo da vida e Paulo Freire se contrapôs a isso, inverteu esse olhar", analisa Arroyo.

O que ele considera "como um dos pontos mais radicais e politicamente avançados de Freire" é a valorização da cultura, das memórias, dos valores, saberes, racionalidade e matrizes culturais e intelectuais do povo, contrapondo-se à lógica de que era necessária a inferiorização de uns para garantir a dominação de outros. Na educação, sobretudo, essa radicalidade implica em enfrentamentos. "Existe a ideia de que nós, cultos, racionais, conscientes, vamos fazer o favor de, através da educação, conscientizar o povo; para Freire não se tratava de conscientizá-los, moralizá-los, mas de reconhecê-los como sujeitos de uma outra pedagogia, capaz de dialogar com essas culturas, identidades e histórias", esclarece Arroyo.

Paulo Freire em outros contextos

Essa centralidade nos sujeitos, própria da concepção freiriana, também apoiou a organização de trabalhadores. Na cidade de São Paulo, quando à frente da Secretaria Municipal de Educação, na gestão de Luiza Erundina, Paulo Freire aprovou o Estatuto do Magistério importante não só aos docentes como a todos os profissionais da educação, como avalia a atual chefe de gabinete da deputada estadual Luiza Erundina, Muna Zeyn, que trabalhou com o educador na gestão paulistana. "Para ele, todos estavam em processo de educação, do bedel à faxineira, passando pelo professor".

Influência também na construção de organizações e movimentos de massa, caso do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Para a militante do setor de Educação do Movimento Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), de Pernambuco, Rubneuza Leandro de Souza, a combinação entre necessidade e conscientização foi vital para a organização do movimento. "Sobretudo em relação à educação. Começamos a nos perguntar qual educação queríamos. Sabíamos que não era aquela que desconhecia o contexto das crianças e as estigmatizava como filhas de ladrões, criminalizando a nossa luta", critica.

Nas escolas do MST, há uma necessidade de que o conhecimento escolar se articule com a realidade e que a educação se estabeleça como elemento de transformação, "libertadora, contra hegemônica e emancipadora". Rubneuza explica que, nos acampamentos, onde muitas vezes não há escolas próximas, o movimento busca auto organizá-las e que, quando o assentamento é conquistado, há um processo de formalização da instituição. "Isso porque a educação formal entra em contradição com nosso processo de luta, quase sempre porque a escola não entende a realidade que a criança vive".

Pela integralidade dos indivíduos

Há quem ataque a pedagogia freiriana, tratando-a como doutrinária. Gadotti explica que a grande questão é entender que Freire reconhecia a educação como ato político, de cultura. "A primeira aula de alfabetização em Angicos (Rio Grande do Norte) foi sobre cultura", relembra o educador. A educação, a formação e até a alfabetização inicial precisa passar pela cultura, pelo reconhecimento do sujeito que conhece, que faz sua leitura do mundo. E é por ser cultural que a educação é política, não no sentido partidário, mas de decidir a vida na pólis (cidade), discutir a vida, o mundo que queremos".

Ainda de acordo com Gadotti, a educação deve ser vista como um dos elementos de uma cidade educadora , que prevê a educação integral, e não deve se referir só ao conhecimento e ao saber simbólico, mas também ao sensível, ao técnico. "A integralidade do saber é o tecido técnico, simbólico, político, cultural e implica também a politicidade do ato educativo. Ninguém nega que a educação supõe valores, princípios, ética. É isso que falta discutirmos na educação brasileira hoje", constata Gadotti.

Por mais Paulo Freire

Em sua análise, a perseguição a Paulo Freire na época da ditadura não apenas o expulsou do Brasil, mas também do sistema de ensino do país, impondo um autoritarismo e associando a educação ao chamado tecnicismo pedagógico, que a afasta de qualquer caráter social. "Não conseguimos sequer agregar qualidade a esse tecnicismo, mas o fato é que ele é uma herança da ditadura e continua forte", evidencia.

Para Gadotti, o ethos freiriano não está presente nas escolas hoje. "Estaria se tivéssemos uma educação participativa, democrática, em que a escola formasse para a cidadania, como está na Constituição Federal e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Não é só formar para o trabalho, mas para a cidadania, para que o povo participe da construção de uma nação. Ao invés de 'basta de Paulo Freire', precisamos de mais Paulo Freire para um país mais decente", reforça.

Arroyo também compartilha da opinião e demonstra preocupação, sobretudo com a proposta de educação integral. "Não podemos entendê-la como mais tempo de escola, nesse mesmo contexto que estamos inseridos. Seria um desrespeito para o povo e iria contra tudo o que Paulo Freire defendia", alerta. É fundamental, em sua opinião, que as propostas pedagógicas incorporem os indivíduos em suas totalidades. "Precisamos entender as crianças que chegam às escolas em diversos contextos, o da família negra, o da favela, como filhos de mulheres trabalhadoras. Que saberes e lutas eles trazem consigo para a educação?", indaga.

"Essas são experiências reais, totais, que exigem uma proposta plural, integrada", problematiza. Para ele, é urgente pensar que a educação, o currículo diversificado e os saberes prévios podem dar conta de devolver a humanidade roubada das crianças e adolescentes oprimidos. "A função da escola só é integral se ela passa a ser um espaço digno, justo, capaz de recuperar o que lhes roubam", conclui.

4 dicas para passar uma boa imagem nas redes sociais

Ser carismático e postar apenas informações verdadeiras são requisitos fundamentais para quem quer ganhar visibilidade positiva na internet

Da Redação - 16/04/2015
smartphone; redes sociais; mídias sociais (Foto: Jason Howle)

As redes sociais são uma ferramenta poderosa para quem quer divulgar uma marca ou se tornar referência em algum assunto. No online, as pessoas se comportam de forma diferente e, muitas vezes, isso pode refletir de forma negativa na imagem do seu negócio.

Neil Patel, especialista em marketing digital, fez uma lista para o site Entrepreneur de algumas características positivas que você deve usar em seu perfil nas redes sociais. Ele também destaca que as boas práticas que podem ser adaptadas para a vida offline.

1. Carisma
As pessoas admiram quem é simpático no dia a dia. Da mesma forma, elas gostam de perfis que tenham essa mesma característica.

Você nunca vai conseguir se comunicar de forma tão completa no ambiente digital quanto ao vivo.  Isso acontece principalmente porque não há recursos como linguagem corporal, por exemplo. Mesmo assim, é possível ser carismático online.

Escreva de forma simples e evite responder comentários apenas com abreviações. Pode não ser sua intenção, mas há o risco de as pessoas interpretarem sua mensagem como grosseira.

Use emoticons casualmente para ajudar a criar simpatia. Evite escrever todas as palavras em letra maiúscula. Isso incomoda os outros e você pode acabar perdendo muitos seguidores nas redes sociais.

2. Credibilidade
A internet está cheia de informações falsas. Diariamente nos deparamos com histórias fantásticas que não passam de mentiras.

As redes sociais são um dos maiores mecanismos de busca de informação. Seus usuários estão sempre esperando por um conteúdo verdadeiro, que informe.

Quando compartilhar algo, tenha certeza de que aquelas informações são totalmente verdadeiras e confiáveis. Verifique sempre os fatos que você compartilha. Se alguém perceber que sua informação é falsa, aos poucos as pessoas vão perder a confiança em você.

3. Educação
A internet é um local cheio de usuários agressivos prontos para falar mal de você ou para postar comentários de ódio. Quem perde a paciência e acaba entrando em brigas pode sair com a imagem prejudicada.

A melhor forma de rebater comentários negativos é usando o bom humor e mostrando que você está disposto ao diálogo. Isso vai fazer com que você ganhe admiração da sua audiência.

4. Profissionalismo
Misturar o pessoal com o profissional é um erro muito comum em redes sociais. Escrever um comentário negativo ou postar uma foto constrangedora pode acabar com sua imagem e também a da empresa. Existem muitas histórias de pessoas que falaram coisas erradas e acabaram perdendo seus empregos, por exemplo.

Desta forma, tome sempre cuidado com o que posta. Não é proibido de vez em quando compartilhar a foto de uma viagem. Mas tente sempre manter um nível mínimo de profissionalismo em sua página.

Conheça 7 motivos para detestar o McDonald's

Desde a exploração nefasta de trabalhadores, passando por um marketing assustador e predatório voltado às crianças, até a utilização da "gosma rosa" na fabricação de alimentos, uma substância considerada ilegal para consumo humano. Confira a seguir os sete piores fatos sobre o McDonald's

Por Lauren Kelley, do site AlterNet. Tradução: Socialista Morena

1. Quer que os empregados trabalhem em feriados sem pagar hora extra.

O McDonald's possui uma longa história de práticas trabalhistas nefastas, mas esta é especialmente avarenta: a empresa mantém suas franquias abertas no Dia de Ação de Graças (feriado nos EUA) e no Natal. Pior: os empregados que trabalham nestes dias não recebem hora extra. De acordo com um porta-voz da empresa, "quando nossas lojas ficam abertas em feriados, a equipe voluntariamente se oferece para trabalhar. Não há pagamento extra". Mark E. Anderson do Daily Kos fez alguns cálculos e descobriu que o McDonald's faturou 36 milhões de dólares extras por permanecer aberto no Dia de Ação de Graças. Anderson lembra que "já é ruim o suficiente que o McDonald's pague péssimos salários, mas eles vão além e conseguem não pagar extras para funcionários que abrem mão de suas folgas para que a empresa ganhe milhões de dólares". Uau.

logo mcdonalds denúncia

Levar os filhos ao McDonald's pode não ser uma diversão inocente.

2. Os empregados não são bem pagos em geral.

Não receber hora extra por trabalhar em feriados já é péssimo, mas ganhar mal durante o ano todo é uma realidade para os trabalhadores do McDonald's. Como Sarah Jaffe escreveu no Atlantic recentemente, "o termo McJob virou sinônimo de tudo que é errado nos empregos mal pagos do setor de serviços da economia americana", porque, "não importa o trabalho que você tenha, será melhor do que trabalhar num restaurante de comida fast-food". E, claro, o McDonald's é a maior rede de fast-food existente.

Este fato resume o problema: um empregado comum do McDonald's teria que trabalhar um milhão de horas –ou mais do que um século– para ganhar o mesmo que um CEO da empresa recebe em um ano (8,75 milhões de dólares). A boa notícia é que os trabalhadores do ramo de fast-food, inclusive empregados do McDonald's, recentemente começaram a se organizar para reivindicar melhor tratamento e melhores salários.

3. Seu marketing voltado às crianças é "assustador e predatório"

Dois anos atrás o grupo Center for Science in The Public Interest anunciou a intenção de processar o McDonald's por seu "assustador e predatório" marketing voltado ao público infantil. Em sua carta, o CSPI comparou o McDonald's "àquele estranho no parquinho que oferece balinhas para as crianças" e disse que a empresa usa "marketing injusto e enganoso" para "atrair crianças pequenas".

"O ambíguo enfoque do marketing direcionado a crianças pelo McDonald's pode ser visto em um recente press-release que diz que a promoção da empresa baseada no filme Shrek "irá encorajar as crianças a 'deshrekizar' seu McLanche Feliz ao redor do mundo com opções de menu como frutas, vegetais, leite e sucos naturais". Na realidade, entretanto, o ponto principal da promoção Shrek é conseguir atrair crianças ao McDonald's, onde elas acabarão escolhendo as opções menos saudáveis e comendo refeições calóricas."

Leia também

Não é a primeira vez que o McDonald's fica sob fogo cerrado pelo uso de brinquedos do McLanche Feliz para atrair crianças como consumidores, e, como a empresa é o distribuidor de brinquedos número um do mundo, certamente não será a última.

(No Brasil, o instituto Alana vem lutando para proibir o McDonald's de distribuir brinquedos junto com o McLanche Feliz. Um projeto proibindo a associação entre brinquedos e sanduíches já foi aprovado pela Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado.)

4. Tem uma salada mais gordurosa do que um hambúrguer com fritas e a granola menos saudável do planeta.

O McDonald's lançou uma salada Caesar mais gordurosa que um hambúrguer com fritas. O Daily Mail noticiou que, "com os temperos e os croutons, a salada contém 425 calorias e 21,4g de gordura, comparada com as 253 calorias e 7,7g de gordura de um hamburguer comum". Adicionando uma porção de fritas a seu hambúrguer, as calorias somam 459 –ainda assim com menos gordura do que a salada (16,7g). Impressionante.

Mais recentemente, a granola (que vem junto com o iogurte) –outra opção "saudável" do menu– foi criticada por não ser nada boa para você. Mark Bittman escreveu no New York Times que a granola da empresa não é nada além de "junk food cara" (você pode fazer granola realmente saudável em casa com pouquíssimo dinheiro). Ele continua: "uma descrição mais acurada do que '100% cereal integral natural', 'passas macias', 'doces cranberries' e 'maçãs frescas crocantes' poderia ser 'aveia, açúcar, frutas secas açucaradas, creme e 11 estranhos ingredientes que você nunca teria em sua cozinha'."

5. Os hambúrgueres não se decompõem.

Quem pode esquecer que há um par de anos uma mulher deixou sobre a mesa por seis meses um hambúrguer e fritas do McDonald's apenas para descobrir que o lanche não se decompõe?

Aqui o lanche no primeiro dia:

mcdonalds sanduíche podre decomposição

Dia 1. (Foto: divulgação)

E aqui no dia 171:

mcdonalds sanduíche decomposição

Dia 171. (Foto: divulgação)

Se você acha que é lenda, um pesquisador descobriu que os hambúrgueres do McDonald's de fato podem estragar sob certas circunstâncias, mas em geral eles não se decompõem por si próprios. Segundo ele, "o hambúrguer não estraga porque seu pequeno tamanho e superfície relativamente grande ajudam a perder umidade. Sem umidade, não há mofo ou crescimento de bactérias". Basicamente, o hambúrguer vira carne seca antes de se decompor. Ou seja, não é uma questão de químicas nojentas no hambúrguer que o mantêm intacto, mas ainda assim é uma gororoba.

6. O McDonald's usou "gosma rosa" por anos.

Há pouco tempo vimos e ficamos horrorizados com esta imagem:

mcdonalds gosma rosa

"Gosma rosa" usada pelo Mcdonald's na fabricação de alimentos. (Foto: divulgação)

Trata-se de "pink slime" ("gosma rosa"), uma substância derivada de partes mecanicamente separadas de frango que durante anos foi utilizada para fazer os nuggets do McDonald's, pelo menos nos EUA; no Reino Unido, a substância é considerada ilegal para consumo humano. (Recentemente, graças a ativistas, a 'gosma rosa' foi banida do lanche ESCOLAR nos EUA)

A boa notícia é que, uma vez que a imagem começou a circular, o McDonald's foi forçado a descontinuar o uso da gosma rosa. (A empresa garante que a indignação pública não teve nada a ver com a decisão.)

7. O McDonald's está em toda parte.

Você pode tentar o que for, mas não escapará do McDonald's. Nos EUA, o único lugar onde você pode estar a 100 milhas de um McDonald's é um deserto na fronteira entre o Oregon e Nevada.

mcdonalds eua

São raríssimos os locais onde não se encontra um Mcdonald's nos

EUA

http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/01/conheca-7-motivos-para-detestar-mcdonalds.html


O que pensa o manifestante que foi às ruas no último domingo

Pesquisa coordenada por professores da USP e Unifesp entrevistou mais de 500 pessoas que participaram da manifestação do último domingo na avenida Paulista e traçou algumas características dos manifestantes. O resultado revelou um nível de desinformação assustador

Uma pesquisa coordenada por Pablo Ortellado, professor do curso de Gestão de Políticas Públicas da USP, e Esther Solano, professora de relações internacionais da Unifesp, revelou algumas características dos manifestantes que estiveram na avenida paulista no último domingo pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Perguntados em quem "confiam muito", o militar reformado e deputado federal Jair Bolsonaro sai na frente de Marina Silva, ambientalista candidata a presidente nas últimas eleições.

A pesquisa, que ouviu 571 pessoas, teve o objetivo de analisar a confiança no sistema político e as fontes de informação. Confira o resultado abaixo.

Boatos:

– 71% concordam com a afirmação que "Fabio Luis Lula da Silva, o Lulinha, é sócio da Friboi"
– 64% acham que "o PT quer implantar um regime comunista no Brasil",
– 56% creem que "o Foro de São Paulo (agremiação de alguns partidos de esquerda da América Latina criada na década de 90) quer criar uma ditadura bolivariana no Brasil"
– 53% acham que "o Primeiro Comando da Capital (PCC) é um braço armado do PT"
– 42% concordam que "o PT trouxe 50.000 haitianos para votar na Dilma nas últimas eleições

O levantamento ainda colheu outras opiniões dos participantes dos movimentos anti-Dilma:

– 85% acreditam que "os desvios da Petrobras são o maior caso de corrupção da história do Brasil"
– 71% acham que "cotas nas universidades geram mais racismo"
– 60,4% dos manifestantes, "o Bolsa-Família só financia preguiçoso"

Confiança nos políticos brasileiros:

– 29,10% dizem confiar em Geraldo Alcmin (PSDB-SP), o preferido pelos os manifestantes
– 24% confiam muito em José Serra (PSDB-SP)
– 22,60% confiam em Aécio Neves (PSDB-MG). O senador mineiro é o terceiro na preferência dos manifestantes.

Ainda de acordo com o estudo, 19,4% confiam muito em Bolsonaro (4º colocado), e 14,7%, em Marina Silva. Dilma Rousseff (96,7%) e Lula (95%) tiveram o maior percentual de rejeição dos manifestantes.

Confiança na imprensa brasileira:

– 49,5%: Rachel Sheherazade, do SBT, foi apontada como a jornalista em quem os manifestantes mais confiam
– 39,60%: Reinaldo Azevedo, da Veja, aparece em segundo lugar
– 52%: a Revista Veja foi apontada como o veículo de comunicação de mais confiança entre os manifestantes

Estadão e Globo News aparecem em seguida, respectivamente, como os veículos de mídia preferidos dos manifestantes pró-impeachment.

A respeito da rejeição e da confiança nos partidos, os números são os seguintes:

– 96% rejeitam o PT
– 82% rejeitam o PMDB

Sobre a avaliação que os manifestantes fazem dos partido políticos, chamou a atenção do pesquisador Pablo Ortellado que agremiações antagônicas como PSOL (partido de Luciana Genro) e PMDB (partido de Eduardo Cunha) tenham índices de confiança equivalentes na concepção dos manifestantes: 1,9% e 1,4%, respectivamente. "Esse é mais um fator que aponta para um descrédito total das pessoas", diz Ortellado.

Confiança nos movimentos:

– 71% dizem que confiar muito no 'Vem Pra Rua', liderado por Rogério Chequer
– 52,7% confiam muito no Movimento Brasil Livre
– 25% confiam muito no Movimento Passe Livre (MPL)

Ortellado explicou por que ainda há, entre os manifestantes de domingo – público de perfil majoritariamente conservador -, certa confiança no Movimento Passe Livre, o movimento que luta pela pela tarifa zero no transporte público: "O MPL é uma força genuinamente e legitimamente apartidária", diz. "Além disso, as pessoas só estão nas ruas por conta das manifestações de junho de 2013, e quem levantou esse movimento foi MPL".

Curiosamente, o Movimento Passe Livre teve índice de confiança superior ao grupo fundamentalista Revoltados Online (um dos organizadores do protesto).

A pesquisa ouviu 571 pessoas entre as 13h30 e as 17h30 do domingo em toda a extensão da Avenida Paulista. Segundo levantamento, a maioria dos manifestantes eram homens (52,7%), brancos (77,4%), com nível superior completo (68,5%) e com renda entre 7.880 reais e 15.760 reais (28,5%). A íntegra da pesquisa pode ser vista aqui.

Arquivos Malucos

Seguidores