Um livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive. (Padre Antônio Vieira)

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Sobre a riqueza

Quando se permitiu que essa riqueza comum, resultado de atividades anteriormente relegadas à privacidade do lar, conquista-se a esfera pública, as posses privadas – essencialmente muito menos permanentes e muito mais vulneráveis à mortalidade de seus proprietários que mundo comum, que sempre resulta do passado e se destina a continuar a existir para as gerações futuras – passaram a minar a durabilidade do mundo. [...] a riqueza pode ser acumulada a tal ponto que nenhuma vida individual será capaz de consumi-la, de sorte que a família, e não o indivíduo, vem a ser sua proprietária. NO entanto a riqueza não deixa de ser algo destinado ao uso e ao consumo, não importa quantas vidas individuais ela possa suprir. Somente quando a riqueza se transformou em capital, cuja função única era gerar mais capital,  é que a propriedade privada igualou [...] a permanência inerente ao mundo compartilhado por todos. [...] de outra natureza: [...] de um processo e não [...] de uma estrutura estável. Sem o processo de acumulação, a riqueza recairia imediatamente no processo oposto de desintegração através do uso do consumo. (ARENDT, 2005, p. 78-79)


ARENDT, Hannah. A condição Humana. 10 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivos Malucos

Seguidores