Um livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive. (Padre Antônio Vieira)

terça-feira, 26 de novembro de 2013

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Umberto Eco: “El exceso de información es malo”

El escritor italiano dice que internet es peligroso para los ignorantes y útil para los sabios – no filtra el conocimiento y atasca la memoria de usuario.

Pensador profesor y novelista italiano Umberto Eco desconfía de Internet (Foto: Eric Fougere / VIP Images / Corbis)

El escritor Umberto Eco vive con su esposa en una habitación doble en la 2 ª y 3 ª de un edificio antiguo, frente al Palacio Sforzesco, el punto turístico más llamativo de Milán como Alice Munro vivía en frente de la Torre de Canadá en Toronto , Haruki Murakami de la instalación de su casa en las faldas del Monte Fuji o de lo contrario Paulo Coelho mantener una mansión en Urca, a la sombra del Pan de Azúcar. "Me acuerdo todos los días del Renacimiento", dice Eco. Hay cuatro habitaciones llenas de libros, divididos por temas y autores alfabéticamente. La habitación en la que el trabajo es pequeño. El hogar de lo que él llama "ala ciencia prohibida", como el ocultismo, las sociedades secretas, el mesmerismo, el esoterismo y la brujería. Estas son las principales fuentes de las novelas de éxito Eco: El nombre de la rosa(1980), El péndulo de Foucault (1988), La isla del día de antes (1994), Baudolino (2000), La misteriosa llama de la reina Loana (2004 ) y El cementerio de Praga . Publicado en 2010 y puso en marcha con éxito en Brasil, en 2011, el libro fue polémico porque se trata de una manera chistosa tema serio: el surgimiento del antisemitismo en Europa. Por varias razones, protestó por la Iglesia Católica y el rabino de Roma. El primer Eco satirizado por los jesuitas ("¿Son masones falda", dice el protagonista, Simone Simonini el notario odiosa). La segunda, porque las teorías de conspiración forjados en el siglo XIX – como el fraude que se hizo conocido como Los Protocolos de los Sabios de Sión – podría generar una ola de odio de los Judios. Desde el comienzo de su carrera en 1962 con la prueba estética obra abierta , Eco le gusta provocar este tipo de reacción. Parece no pierde el gusto por el ruido. Un muy buen humor, habló con EL TIEMPO de dos horas de vida, que inventó el género – erudito suspenso – decadencia europea y su más constante objeto en los últimos años: la muerte del libro. Es difícil de creer, pero que se ve como el mayor enemigo de la lectura por el ordenador están revisando sus posiciones.Ahora dice que está disfrutando de la lectura de libros en el iPad, que compró durante su última gira por los EE.UU. en diciembre.

TIME – ¿Cómo te sentiste después de completar 80 años?
Umberto Eco -
¡Bueno viejo (risas)! No me puedo quejar de rutina. Mi vida es agitada. Sigo sosteniendo una cátedra en el Departamento de Comunicación y Semiótica en la Universidad de Bolonia y continuo guiando a los estudiantes de doctorado y postdoctorado. Doy mucho que hablar en todo el mundo.

TEMPORADA – Usted ha sido uno de los más acérrimos defensores del libro de papel. Su tesis es que el libro no va a terminar. Aún así, estamos siendo testigos de la popularidad de los lectores digitales y tabletas. ¿El libro de papel todavía tienen sentido?

Eco - Soy un coleccionista de libros. Defendi libro de la supervivencia junto a Jean-Claude Carrière en el volumen No cuente en el final del libro . Lo hicimos por razones estéticas y gnoseológicas (relacionados con el conocimiento) . El libro sigue siendo el medio ideal para aprender. No necesita electricidad, y se puede rayar en la voluntad. Pensamos que es imposible leer el texto en un monitor de ordenador. Pero esto hace dos años. En mi viaje a los Estados Unidos, tenía que llevar 20 libros conmigo, y mi brazo no me sirvió de nada. Por lo tanto, me decidí a comprar un iPad. Útil en materia de volúmenes de transporte. Empecé a leer en el dispositivo y no pareció tan malo. Por cierto, me pareció muy bien. Y leí en el IPAD, ¿usted cree? Es. Aún así, creo que las tabletas y libros electrónicos sirven como lectura auxiliar. Son más de entretenimiento que para su estudio. Me gusta rascarse, anotar e interferir en las páginas de un libro. Aún no es posible hacer una tableta.

TEMPORADA – A pesar de la evolución, ¿ve Internet como un peligro para el conocimiento?

Eco - Internet no selecciona la información. No es todo lo que hay. Wikipedia hace un flaco servicio a los usuarios de Internet. Otro chisme días publicada por mí, y tuve que intervenir y corregir los errores y absurdos. Internet es todavía un mundo salvaje y peligroso. Todo llega allí sin jerarquía. La inmensa cantidad de cosas que circula es peor que la falta de información. El exceso de información provoca amnesia. El exceso de información es mala. Cuando no recordamos lo que hemos aprendido, nos gustan los animales. El saber se corta, se selecciona Tomemos como ejemplo el dictador y líder romano Julio César y cómo los antiguos historiadores lo han tratado. Todo lo que dijeron fue importante, ya que cambió la historia. Los cronistas romanos sólo mencionaban su mujer, Calpurnia, ya que estaba al lado de César. Nada se sabe acerca de la viudez de Calpurnia. Hoy en día, Internet, Julio César y Calpurnia tienen la misma importancia. Ahora bien, este no es el conocimiento.

Pero el conocimiento es cada vez más accesible para internet. ¿No cree que el acceso a bases de datos de instituciones confiables altera nuestra noción de cultura?
Sí, es cierto. Si usted sabe que los sitios y bases de datos son fiables, se tiene acceso a los conocimientos. Pero ya ves: tú y yo somos ricos en conocimientos. Podemos hacer un mejor uso de Internet que el pobre hombre que está comprando salami en la feria allí delante. En este sentido, la televisión era útil para el ignorante, ya estaba seleccionada la información que pueda necesitar, aunque información idiota. Internet es peligroso para el ignorante porque no filtran nada. No sólo es bueno para los que ya saben – y saben dónde está el conocimiento. A lo largo del tiempo, el resultado será pedagógica espectacular. Vemos multitud de ignorantes que usan Internet para múltiples funciones: juegos, chat y búsqueda de noticias irrelevantes.

¿Hay una solución a la sobrecarga de información?
Tendría que crear una teoría de la filtración. Un curso práctico, basado en la experimentación con Internet todos los días. ¿Hay alguna sugerencia para las universidades: el desarrollo de una teoría y una herramienta que trabaja para el bien del conocimiento filtrado. El conocimiento está filtrando.

Entre estas teorías, no es el más famoso de falsificación, Los Protocolos de los Sabios de Sión, ¿Por qué usted se inclinaron sobre un documento tan repugnante a la ficción?

Eco - Yo quería investigar cómo los europeos civilizados lucharon para construir enemigos invisibles en el siglo XIX. Y el enemigo siempre aparece como una especie de monstruo: tiene que ser desagradable, feo y maloliente. De alguna manera, lo que repele al enemigo es algo que es parte de nosotros. Fue esta ambivalencia que caza en El cementerio de Praga . Nada más ejemplar que la preparación de las teorías antisemitas, que debían culminar en el nazismo del siglo XX. En la investigación en archivos y en Internet, me encontré con que el antisemitismo tiene un origen religioso, que se deriva para el discurso de la izquierda y, finalmente, da un giro a la derecha para llegar a ser la prioridad de la ideología nacionalsocialista. Comenzó en la Edad Media desde una perspectiva cristiana y religiosa. Los Judios fueron estigmatizados como los asesinos de Jesús. Esta visión se agudizó con Lutero. Predicó que los Judios fueron expulsados. Los jesuitas también jugaron un papel. En el siglo XIX, los Judios aparentemente integrado en Europa comenzaron a ser demonizados por su riqueza. La familia de banqueros Rothschild, establecida en París, se convirtió en blanco del resentimiento social y predicadores socialista. Descubrí los escritos de Leo Taxil, un discípulo del socialista utópico Fourier. Se inauguró una serie de teorías sobre la conspiración judía y capitalista internacional se traduciría en los Protocolos de los Sabios de Sión, el texto forjado en 1897 por la policía secreta del zar Nicolás II.

El anti-héroe El cementerio de Praga , Simone Simonini, es antisemita, anti-clerical, anti-capitalista y anti-comunista. ¿Cómo lo hicieron a alguien en su mente tan abominable?
Los críticos dijeron que Simonini es el personaje más horrible de la literatura de todos los tiempos, y estoy de acuerdo con ellos. También es muy divertido. Sus excesos están ahí para provocar la risa y la ira. En la novela, Simonini es el único personaje de ficción. Guarda todos los prejuicios y fantasías sobre un enemigo que nunca se sabe. Y se despliega en múltiples personalidades: durante el día, actúa como falsificador de documentos notariales, travestis noche en falso sacerdote y deja tras de aventuras siniestras jesuita. Finalizar girando juguete en manos de los realistas, que se oponen a la unificación de Italia, y, por último, a los rusos. Simonini figuraba como uno de los autores de los Protocolos de los Sabios de Sión

La falsificación de falsificaciones permitidas por la ficción hizo el controvertido libro. ¿A usted le gusta lidiar con la controversia?

La acogida ha sido positiva. El libro ha sido un éxito sin controversia. Cuando fue lanzado en Italia generado alguna discusión.El L'Osservatore Romano , el Vaticano publicó un artículo condenando los ataques del libro a los jesuitas. El rabino de Roma, leer El cementerio de Praga , y dijo que las teorías en el libro podrían ser popular otra vez desde el trabajo. Le dije que no había tal peligro. Más bien, sirve para Simonini algo, es provocar nuestra indignación.

Más allá de falsificador, Simonini es gourmet. En él se enumeran las listas de recetas de lujuria. ¿Te gusta la comida?
Eco -
Am McDonalds! No te molestes con la comida. Investigado viejas recetas para causar repulsión en el lector. La cocina es de carácter negativo en la composición. Cuando Simonini discute platos extraños, el lector debe sentirse revolvió el estómago.

A pesar de la evolución, ¿ves el Internet como un peligro para saberlo?
Eco -
Tiene sentido escribir ficción. No veo cómo la narrativa experimental de hoy, al igual que James Joyce en Finnegans Wake , para mí la última frontera de la experimentación. No fue un revés para la narración lineal y clásica. Empecé a escribir ficción en el contexto de la restauración de la "narrativa" llamada posmodernidad. Soy considerado un autor postmoderno – y estoy de acuerdo con eso. Barrer las formas y los engaños de la novela tradicional. La novela es el mayor logro de la "narrativa". Alberga el mito, base de nuestra cultura. Cuenta una historia que emociona y transformar que absorbe es algo que va con la madre y su hijo, el novelista y su lector, el realizador y el espectador. La fuerza de la narrativa es más eficaz que cualquier otra tecnología.-

Philip Roth dijo que la literatura ha muerto. ¿Cuál es su opinión?

Eco - Roth es un gran escritor. A partir de él, la literatura no morirá pronto. Publica anualmente una buena novela. No creo que ninguna novela ni él quisiera interrumpir su carrera. (risas)

El Señor creó el suspense. ¿El modelo sigue siendo válido?
Eco -
En El Nombre de la Rosa , se unió a la novela de suspense beca. El libro ayudó a crear un tipo de literatura que yo veo con buenos ojos. Hay un montón de buenas. Al igual que(Arturo) Pérez-Reverte, con sus trajes que recuerdan las aventuras de Dumas y Emilio Salgari, que leí cuando era niño.

Leyendo sus seguidores, al igual que Dan Brown, ¿a veces no se arrepiente de haber creado el suspenso?
Eco -
A veces, sí (risas) Dan Brown me molesta porque parece un personaje inventado por mí. En vez de entender que las teorías de la conspiración son falsas, el Brown admite como verdadero, de pie junto al personaje, sin cuestionar nada. Es lo que se hace en El Código Da Vinci . Es el mismo contexto de la Péndulo de Foucault . Sin embargo, parece haber adoptado la historia de simplificarlo. Esto hace que las ondas de la mistificación. Hay lectores que creen que todo lo que Dan Brown escribe – y no puedo condenarlos.

 

http://ssociologos.com/2013/11/03/umberto-eco-el-exceso-de-informacion-es-malo/

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

NIETZSCHE, Friedrich. A minha irmã e eu.

NIETZSCHE, Friedrich. A minha irmã e eu. Tradução de Rubens Eduardo Frias. São Paulo: Moraes, 1992

 

Tudo se pode obter na solidão menos bom-senso. P. 26

Um homem só pode viver embriagado: embriagado com vinho, mulheres, ideias ou paixão messiânica. P. 26

A morte nunca é melhor do que a vida, apesar de Buda e dos santos. Eu, que estou a morrer, sei como não há nada mais trágico do que um homem morto, esteja ele debaixo da terra ou a andar pelo mundo como um cadáver, sem fé na vida nem no futuro... p. 27

Ficou na moda eu ser admirado por negar Deus, mas o meu otimista Zaratustra não passa de Jeová disfarçado. P. 27

E o que se dá com a solteirona, dá-se com o solteirão. É provável que um solteirão tenha melhor aspecto do que ela, mas não é – podeis acreditar-me – menos infeliz. P. 32

O homem é o único fenômeno orgânico que alinha, consciente, na cruzada da má vontade e da aversão. P. 33

Nação pacifista é nação em agonia, se bem morta não estiver. P. 38

Num mundo destroçado, feito em pedaços sangrentos pelos Césares do industrialismo, quem, senão a mulher, poderá dar integridade ao homem? P. 74

[...] até lá viverei para os deveres da cultura e para despertar em mim e nos outros o filósofo, o artista e o santo. P. 78

É esta a derradeira verdade: não há verdade. P. 79

[...] deve-se fomentar a bondade entre os homens, tanto nos ricos como nos pobres, mas só os ricos dispõe de meios para ser bons. P. 97

Se algum talento tenho, é o de fazer as pessoas enojarem-se. Verto uma chuva de urina sobre o mundo e [...] o mundo não tarde em pagar-me com a mesma moeda. P. 98

A morte não é o fim imediato da consciência nem da personalidade, já que as formas, as imagens e os sentimentos das pessoas que morreram constantemente nos visitam. P. 104

[...] a única forma de o artista suportar o peso da estupidez da sociedade é adotar essa dança da obscuridade. P. 104

A morte anula a vida e a vida anula a morte num constante espasmo de ressureições. P. 110

Dá ideia que Deus teria criado tudo o que existe no mundo visível, menos a cor que tornou visível este mundo. O homem, esse criou a boa educação. Mas para que serve ela, se Deus não soube criar o bom homem? P. 129

Se não conseguires ler Platão apenas por prazer, lede-o para aprender a lição gritada nas entrelinhas de cada diálogo: Só há um mundo, o mundo da experiência humana. P. 130

Paixão é ver na esperança um veículo para o futuro. A paixão é a única coisa a proteger-nos contra a extraordinária vaidade dos nossos desejos. P. 130

[...] a classificação talvez seja, portanto, um dos grandes pecados deste mundo. P. 131

A vontade de um homem é ordem de outro. Onde não houver ordem há anarquia. A anarquia precede todos os atos de criação. P. 131

Realmente, a verdade é fugidia. E já deixou de ser rapariguinha para se revelar velha prostituta toda desdentada a frente. P. 133

Antes de mais, a civilização é uma luta entre os diferentes estilos de ver o passado. P. 136

[...] as mulheres são a única propriedade privada com total domínio sobre o proprietário. P. 146

[...] um louco com dinheiro poderá fazer com que pessoas de senso e beleza sejam os seus mais humildes escravos. P. 154

Neste mundo tudo sucede de acordo com o juízo que Deus fez sobre a luta; a força é a medida de todo valor. Dái, porém, tempos as coisas: são justas se triunfarem. P. 154

Há duas classes de bárbaros [...] uma precede em vários séculos a sua ilustração, e a outra sucede-lhe. P. 154

As melhores conversas tenho-as comigo mesmo. Os mais claros dos meus pensamentos são os que eu próprio analiso. Sinto toda a minha reação perante o mundo modificar-se quando um saber novo entra em cena. P. 165

[...] o maior dos prazeres é o desprezo pelo próprio prazer. P. 207

[...] a maior parte dos homens vive de sombras e aparências. P. 212

[...] o niilismo do nosso tempo, que ama para destruir e destrói para amar. P. 213

Na sua alta cama de seda todos os homens são iguais. P. 216

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Obras de ficção ajuda a aguçar a capacidade intelectual

Obras de ficção são o tipo de literatura que mais ajuda a aguçar a capacidade intelectual na hora de discernir pensamentos e emoções de outras pessoas, conclui um estudo americano publicado na quinta-feira (3) na revista "Science".

Diariamente, indivíduos são desafiados a detectar um sorriso falso, avaliar se alguém não se sente confortável ou medir as emoções de familiares e amigos, indicaram os autores. Esse é um processo mental essencial, chamado "teoria da mente", que permite o desenvolvimento de uma complexa rede de relações na sociedade atual.

Para a pesquisa, o professor de psicologia Emanuele Castano, da New School for Social Research de Nova York, e seu aluno de doutorado David Comer Kidd pediram a várias pessoas para ler histórias de ficção literária curtas e de qualidade, de ficção popular de menor qualidade e de não ficção.

Os leitores foram submetidos a uma série de testes para medir como poderiam adivinhar o que uma pessoa sentia, por exemplo, ao olhar a foto de uma expressão facial ou ao responder a perguntas sobre como um indivíduo com determinada personalidade atuaria sob certas circunstâncias. Os dados revelaram que os melhores resultados foram obtidos pelos voluntários que haviam lido fragmentos de ficção literária.

O estudo revelou também que o fator determinante para melhorar a capacidade de sondar a "alma" alheia é a qualidade das obras de ficção, que nos experimentos tiveram diferentes temas, mas produziram o mesmo resultado.

Segundo os autores, isso ocorreu porque essas leituras envolvem mais intelectualmente o leitor, despertando seus pensamentos criativos, diferente do efeito da ficção popular ou de qualidade inferior.

"Assim como na vida real, os mundos descritos na literatura de ficção de qualidade estão cheios de personagens complexos cujas vidas interiores poucas vezes são facilmente discerníveis, o que requer um esforço intelectual", escreveram os pesquisadores.

As descobertas podem ser úteis para ajudar na reabilitação de presos ou na comunicação de pessoas com autismo, destacaram os cientistas.
 

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Sobre dar

Tu pouco dás quando dás de tuas posses. É quando dás de ti próprio que realmente estás dando. É belo dar quando solicitado; é mais belo ainda dar quando não solicitado; dar por haver apenas compreendido.
 
Gibran Khalil Gibran

Minha música

DIZEM QUE A RAZÃO POR que embalam as criancinhas em ritmo binário é porque, durante nove meses, ouvimos a pulsação binária do coração da mãe. O ritmo binário do coração da mãe se inscreve no corpo da criancinha como uma memória tranquilizadora. Se isso é verdade, tem de ser verdade também que a música ouvida em tempos anteriores à memória consciente, no sono fetal, torna-se parte da nossa carne.

Comecei a ouvir música antes de nascer. Minha mãe era pianista e tocava. A música clássica é parte da minha carne.

Não é meu costume ouvir música enquanto escrevo. Fico possuído pela música, numa espécie de êxtase, e isso faz parar meus pensamentos. Contrariando o meu hábito coloquei no micro um CD de uma peça que nunca ouvira, sonata para violino e piano de César Franck. Minutos depois, eu estava chorando. Aí interrompi o choro e fiz um exercício filosófico. Perguntei-me: "Por que é que você está chorando?" A resposta veio fácil: "É por causa da beleza..." Continuei: "Mas o que é a experiência da beleza?" Sem uma resposta pronta, veio-me algo que aprendi com Platão. Platão, quando não conseguia dar respostas racionais, inventava mitos. Ele contou que, antes de nascer, a alma contempla todas as coisas belas do universo. Essa experiência foi tão forte que todas as infinitas formas de beleza do universo ficam eternamente gravadas na alma. Ao nascer, nos esquecemos delas. Mas não as perdemos. A beleza fica em nós, adormecida como um feto. Todos estamos grávidos de beleza, beleza que quer nascer para o mundo qual uma criança. Quando a beleza nasce, reencontramo-nos com nós mesmos e experimentamos a alegria.

Agora vem a minha contribuição. Continuo o mito. Há seres privilegiados – eles bem que poderiam ser chamados de anjos -, aos quais é dado acesso a esse mundo espiritual de beleza. Eles veem e ouvem aquilo que nós nem vemos nem ouvimos. E transformam então o que viram e ouviram em objetos belos que o corpo pode ver e ouvir. É assim que nasce a arte. Ao ouvir uma música que me comove por sua beleza, eu me reencontro com a mesma beleza que estava adormecida dentro de mim.

"Quando te vi amei-te já muito antes. Tornei a encontrar-te quando te achei." Essa é a mais bela declaração de amor que conheço, escrita pelo anjo Fernando Pessoa. Tu já estavas dentro de mim antes que te encontrasse. O nosso encontro não foi encontro; foi reencontro... Isso que o poeta diz para um homem ou uma mulher pode ser dito também para uma música: "Quando te ouvi, ouvi-te já muito antes. Tornei a ouvir-te quando te ouvi..."

O que me comoveu, então, não foi a música de César Franck. Foi a sonata que estava adormecida dentro de mim e que a sonata de César Franck fez acordar. Ao me comover com a beleza da música, eu me reencontro com a minha própria beleza. Por isso a música me traz felicidade...

 

Rubem Alves – PIMENTAS: para provocar um incêndio, não é preciso fogo

Cozinhar

OS TEXTOS SAGRADOS DIZEM QUE, quando Deus voltar à terra do seu exílio, a sua presença será servida como um banquete: todos reunidos à volta de uma mesa, comendo, bebendo, conversando, rindo... Deus se dá como comida. Tal como aconteceu no filme A festa de Babette, a feiticeira, com sua culinária, transformou a aldeia de pessoas amargas em crianças! O comer é um ritual mágico.

Comer é o impulso mais primitivo do corpo. O nenezinho tudo ignora: para ele, o mundo se reduz a um único objeto mágico, o seio da sua mãe. Nasce daí a primeira filosofia, resumo de todas as outras: o mundo é para ser comido. Disse alguém que a nossa infelicidade se deve ao fato de que não podemos comer tudo o que vemos. Sabem disso os poetas. Os poetas são seres vorazes. Escrevem com intenções culinárias. Querem transformar o mundo inteiro, os seus fragmentos mais insignificantes, em comida. Quem sabe numa simples azeitona... Poemas são para serem comidos. "Sou onívoro de sentimentos, de seres, de livros, de acontecimentos e lutas", dizia Neruda..." "Comeria toda a terra. Beberia todo o mar..." "Persigo algumas palavras...Agarro-as no voo...e capturo-as, limpo-as, aparo-as, preparando-me diante do prato, sinto-as cristalinas,...vegetais, oleosas, como frutas, como azeitonas...E então as revolvo, agito-as, bebo-as, sugo-as..."

A memória mais forte que tenho do cozinhar é a de um pai preparando um peixe para o forno. Ele ficava transfigurado. Acho que teria se realizado mais como cozinheiro. Quando via o prazer no rosto dos convidados, era como se estivessem devorando ele mesmo, o cozinheiro, antropofagicamente. Todo cozinheiro quer sentirse devorado. Toda comida é antropofagia, toda comida é sacramento. Fico a me perguntar: quais foram as razões que fizeram com que a culinária nunca tenha sido elevada à dignidade acadêmica de "arte", como a música e a pintura? Talvez porque o prazer da comida seja tão intenso que não deixa espaço para as funções contemplativas e intelectuais, ligadas às outras artes.

Rubem Alves – PIMENTAS: para provocar um incêndio, não é preciso fogo

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Atraso, fofoca e má vontade podem emperrar promoção, diz pesquisa

Para 71%, dizer 'não faz parte do meu trabalho' impede promoção.
69% deixariam de promover alguém que chega tarde no trabalho.


Fazer um trabalho bom nem sempre é suficiente para conseguir uma promoção. Aspectos comportamentais - como chegar atrasado, fofocar ou mentir - também podem influenciar a decisão de um chefe. É o que mostra um levantamento com mais de 2 mil profissionais de RH americanos, que responderam ao site Carrerbuilder quais os erros que os impediriam de oferecer uma promoção a um funcionário.

 Em primeiro lugar, com 71% das respostas, eles deixariam de promover alguém que não se dispõe a assumir outras funções quando isso é necessário, justificando que algo "não faz parte do meu trabalho". Quase igualmente malvistos estão os atrasados: 69% deixariam de promover alguém que chega tarde no trabalho com frequência.
 
A mentira também pode ser um impeditivo. Para 68%, pessoas que mentem no trabalho podem se prejudicar, 64% acham o mesmo de profissionais que tomam o crédito pelo trabalho dos outros, e 55%, com aqueles que tomam "liberdades" na hora de colocar despesas pessoais na conta da empresa.
 
Encurtar o expediente também é considerado um problema por 55%%, enquanto 46% deixariam de promover alguém que fofoca demais, e 35%, aqueles que não se vestem profissionalmente. Já chorar no trabalho e namorar um colega de empresa seriam problema para menos de 10% dos entrevistados.

FONTE: http://g1.globo.com/concursos-e-emprego/noticia/2013/08/atraso-fofoca-e-ma-vontade-podem-emperrar-promocao-diz-pesquisa.html

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Todos os peitos coração

Música triste
Quando reggae
Pensamentos pesados
Quando leve
Alegre quando triste
Doente quando são
Louco quando não
Diverso quando um
Coração em todos os peitos e
Todos os peitos coração
f. foresti

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

440Hz – Conspiração contra a mente humana?

A maior parte da música mundial é afinada em 440Hz desde que a International Standards Organization (ISO) aprovou em 1953. As descobertas recentes da vibração – oscilação natural do universo indica que essa afinação contemporânea pode gerar um efeito prejudicial à saúde ou um comportamente anti-social na consciência dos seres humanos.

A=432Hz, conhecido como Lá de Verdi é uma afinação alternativa que é matematicamente consistente com o universo. Músicas baseada em 432Hz transmite energia de cura benéfica, porque é um tom puro de matemática fundamental da natureza.

Há uma teoria que diz que a mudança de 432Hz para 440Hz foi ditada pelo ministro de propaganda nazista, Joseph Goebbels. Ele usou-a para fazer com que as pessoas pensassem e sentissem de uma certa maneira, e para fazê-los prisioneiros de uma certa consciência. Então, por volta de 1940, os Estados Unidos introduziram mundialmente o 440Hz, e finalmente em 1953, tornou-se o padrão pela ISO.

440Hz é o padrão antinatural de afinação, removido da simetria das vibrações sagradas e harmônicos que tem declarado guerra ao subconsciente do homem do ocidental.

Em um manuscrito intitulado "Musical Cult Control" (Controle de culto musical), Dr. Leonard Horowitz escreveu: "A indústria da música tem essa frequência imposta que é "pastorear" populações para uma maior agressividade, agitação psicossocial e sofrimento emocional que predispõe as pessoas as doenças físicas".

Você apenas tem que ir até a rua e olhar ao redor. O que você vê? Criancas da escola, jovens indo para o trabalho, uma mulher com seu bebê na praça, um homem com o seu cachorro – e o que eles tem em comum? IPods e MP3 Players! Engenhoso, não é?

"Se você quer encontrar os segredos do universo, pense em termos de energia, frequência e vibração." – Nikola Tesla

Os poderes que estão com sucesso reduzindo as vibrações, não só das jovens gerações, mas também de todos nós também. Estas frequências destrutivas arrastam os pensamentos para a interrupção, desarmonia e desunião. Além disso, elas também estimulam o orgão controlador do corpo – o cérebro – para a ressonância desarmônica, que em última análise cria a doença e a guerra.

Frequência e vibração detêm um poder extremamente importante, ainda escondido para afetar as nossas vidas. nossa saúde, nossa sociedade e nosso mundo. A ciência da Cymatics (ou seja, o estudo do som visível e vibração) prova que frequência e vibração são as chaves mestras e fundação organizacional para a criação de toda a matéria e da vida neste planeta.

Quando as ondas sonoras se movem através de um meio físico (areia, água, ar, etc), a frequência das ondas tem um efeito direto sobre as estruturas que são criadas pelas ondas sonoras que passam por esse meio particular.

"Se alguém deseja conhecer se o reino é bem governado, se sua moral é boa ou ruim, a qualidade de sua música irá fornecer a resposta" - Confúcio

A música tem um poder oculto para afetar nossas mentes, nossos corpos, nossos pensamentos e nossa sociedade. Quando a música é baseada em um padrão de afinação propositadamente retirados dos harmônicos naturais encontrados na natureza, o resultado final pode ser a intoxicação psíquica da mente em massa da humanidade.

Como o documentário Kymatica diz, a redescoberta do conhecimento da ciência do som mostra que o som é algo mais do que meros sinais vibratórios, não só o som interagi com a vida, mas sustenta-a e desenvolve-a. Ele atua como um canal de intenção consciente entre as pessoas, sociedades e civilizações inteiras.

Fonte: http://www.whydontyoutrythis.com/2013/08/440hz-music-conspiracy-to-detune-good-vibrations-from-natural-432hz.html?m=1

http://trumpetarticles.wordpress.com/2013/08/07/440hz-conspiracao-contra-mente-humana/

terça-feira, 30 de julho de 2013

sexta-feira, 26 de julho de 2013

quarta-feira, 24 de julho de 2013

ALVES, Rubem. A maçã e outros sabores

ALVES, Rubem. A maçã e outros sabores. Campinas, SP: Papirus, 2005. 108 p.

 

[...] a única coisa que Deus faz é brincar [...] Adão foi expulso do paraíso quando deixou de brincar e passou a trabalhar. p. 40

Uti = o que é útil, utilizável, utensílio. Usar uma coisa é utilizá-la para obter uma outra coisa. Frui = fruir, usufruir, desfrutar, amar uma coisa por causa dela mesma. A ordem do uti  é o lugar do poder. Todos os utensílios – ferramentas – são inventados para aumentar o poder do corpo. A ordem do frui, ao contrário, é a ordem do amor – coisas que não são utilizadas, que não são ferramentas, que não servem para nada. Elas não são úteis; são inúteis. Porque não são para serem usadas, mas para ser gozadas.

...

[...] A vida não se justifica pela utilidade. Ela se justifica pelo prazer e pela alegria – moradores da ordem da fruição. Por isso que Oswald de Andrade [...] repetiu várias vezes: "A alegria é a prova dos nove".

...

As ferramentas não nos dão razões para viver. Elas só servem como chaves para abrir a caixa dos brinquedos. p. 44-45

O inglês e o alemão tem uma felicidade que não temos. Têm uma única palavra para se referir ao brinquedo e à arte. No inglês, play. No alemão, spielen. Arte e brinquedo são a mesma coisa: atividades inúteis que dão prazer e alegria. [...] são [...] brincadeiras que inventamos para que o corpo encontre a felicidade, ainda que em breves momentos de distração, como diria Guimarães Rosa. 

...

Esse é o resumo da minha filosofia da educação. Resta perguntar: os saberes que se ensinam em nossas escolas são ferramentas? Tornam os alunos mais competentes para executar as tarefas práticas do cotidiano? E eles, alunos, aprendem a ver os objetos do mundo como se fossem brinquedos? Têm mais alegria? p. 46

[...] O que faz um louco não é a loucura da ideia. É a força da ideia. O louco tem ideias fortes. O não-louco tem ideias fracas. [...] Os não-loucos sabem que as ideias são entidades fraquinhas, meras bolhas de sabão sem poder, não podem fazer nada, brinquedos etéreos com que a cabeça se diverte. [...] Assim sendo, apressam-se em brincar com as ideias loucas, transformando-as em literatura, poesia, pintura... A alegria da cabeça se faz assim: com ideias loucas, fracas. p. 57

[...] A alma é o lugar onde o amor guarda o que não aconteceu, em forma de imaginação, para que aconteça sempre. p. 78

[...] choramos e rimos porque a alma é feita com o que não existe, coisa que só os artistas sabem. "Somos feitos da mesma matéria dos nossos sonhos", afirmava Shakespeare. p. 79

Que eu leve o sol

Senhor
faz de mim
um insrtumento
da tua música.
Onde há silêncio
que eu leve o si.
Onde há dor
que eu leve o dó.
Onde há uma lágrima
que eu leve o lá.
E onde há trevas
que eu leve o sol.

Carlos Rodrigues Brandão apud Rubem Alves

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Encontro

Galera, fui no banheiro dar uma cagada e o diabo apareceu pra mim, me perguntou se estaríamos dispostos a vender a alma pra ele em troca de sucesso pra banda, ele prometeu que nos faria astros do rock'n'roll, falei pra ele que iria conversar com vocês e depois mandaria um email pra ele pra negociar o caso, o que vocês acham da proposta? Sei que tá todo mundo muito ocupado com faculdade, trabalho e etc...mas de repente acho que a gente pode dar uma pensada na situação.

Caso vocês tenham alguma dúvida sobre as cláusula do contrato podem entrar em contato direto com o coisa-ruim segue o mail do cara diabo@inferno.org, ele me disse que olha a caixa toda a hora e que recebe as mensagens no I-phone, por isso está sempre atento.

Convidei ele pra assistir o nosso show hoje, e ele me disse que talvez dê uma passada lá hoje, mas não deu certeza por que está numa correria infernal de final de ano, mas me disse que a qualidade do som pouco importa pra ele, e sim a atitude.

Depois disso deu uma risada diabólica, e sumiu numa nuvem de fumaça de enxofre, pior que todo mundo ficou me olhando depois que eu saí do banheiro, pensando que eu peidava fumaça....foda.

Bom, era isso, tá dado o recado.

Até de noite!!
 
l. manzoni

terça-feira, 18 de junho de 2013

Smartphones podem estar nos tornando mais "burros"

Muito tempo atrás, alguns escritores decidiam morar em lugares afastados para bloquear o mundo exterior e se concentrar na página em branco. Hoje, está ficando cada vez mais difícil manter o mundo tecnológico à distância. Alguns desses retiros para artistas permitiram o acesso sem fio aos estúdios, enquanto outros, como Yaddo e MacDowell, limitam a capacidade de acesso à internet em suas bibliotecas.

"As pessoas às vezes se surpreendem com sua própria reação quando ficam off-line", disse ao "Times" David Macy, diretor e residente da colônia artística MacDowell. "Eu acho que há até um nome médico para isso -ou talvez seja o nome do [jornal satírico] 'The Onion'-: 'ansiedade provocada por não estar em um hot spot sem fio'."

Alguns escritores instalaram programas de software como Freedom e SelfControl para tentar limitar a navegação na internet. O romancista americano Jonathan Franzen retirou o cartão sem fio de seu computador, colocou o cabo de rede no lugar e depois cortou o cabo, transformando o computador em uma máquina de escrever livre de internet, relatou o "Times".

O objetivo de minimizar as distrações é mais que nobre. As interrupções nos tornam menos inteligentes, segundo pesquisa do Laboratório de Integração Humana-Computador da Universidade Carnegie Mellon em Pittsburgh, na Pensilvânia.

Os pesquisadores de lá decidiram medir o poder cerebral perdido quando alguém é interrompido por um telefonema ou por um e-mail, relataram no "Times" os autores Bob Sullivan e Hugh Thompson. Quando os sujeitos eram informados de que deviam esperar uma distração e eram interrompidos durante um teste, se saíam muito pior que os sujeitos que eram deixados à vontade. O grupo distraído/interrompido respondeu corretamente em 20% menos ocasiões que o grupo não interrompido.

"Existem evidências de que não somos tão viciados em novas mensagens de texto", escreveram. "Na verdade, elas também nos roubam energia cerebral."

O problema de monitorar um telefone celular e caminhar sem tropeçar nas coisas é algo que o Google esperava solucionar ao fazer o Glass. Outras empresas também estão facilitando o uso do telefone junto com outras atividades, relataram no "Times" os psicólogos Daniel J. Simons e Christopher F. Chabris. Em abril, a Chevrolet anunciou sua "integração sem olhos e sem mãos" com a interface de comando de voz Siri do iPhone.

Essas tecnologias parecem soluções ideais, permitindo que você interaja com seu smartphone enquanto continua alerta para o entorno. Mas o cérebro não funciona assim.

"O problema é que olhar não é a mesma coisa que ver", escreveram Simons e Chabris, "e as pessoas fazem suposições erradas sobre o que vai chamar sua atenção."

Experimentos mostraram que as pessoas deixam de notar coisas tão óbvias quanto alguém vestido de gorila quando sua atenção é distraída. "Pesquisadores usando dispositivos de rastreamento de olhos descobriram que as pessoas podem não ver a roupa de gorila mesmo quando olham diretamente para ela", disseram Simon e Chabris. "Esse fenômeno de 'cegueira desatencional' mostra que o que vemos depende não apenas de para onde olhamos, mas também de como focalizamos a atenção."

Poucos autores abandonariam a capacidade de pesquisa que a internet oferece. A era da computação "usável" já chegou, mas a nova tecnologia está evoluindo mais depressa que nossa capacidade de administrá-la.

"O Google Glass pode permitir que os usuários façam coisas incríveis", escreveram Simon e Chabris, "mas não elimina os limites da capacidade humana de prestar atenção."


http://www1.folha.uol.com.br/tec/2013/06/1296918-smartphones-podem-estar-nos-tornando-mais-burros.shtml

quarta-feira, 12 de junho de 2013

A maconha e a música

Quem nasceu primeiro: a Purple Haze para cantar ou a Purple Haze para fumar? Embora não tenha sido feita para a erva, a música de Jimi Hendrix é um dos maiores odes à maconha, dando nome até a uma de suas variantes -- ou o contrário.

À parte a ordem questionável, a biografia 'Jimi Hendrix: Electric Gypsy' confirma a história da origem da canção. O livro também atesta que o cafuzo deus da guitarra era um costumeiro usuário de entorpecentes.

O quanto o uso de drogas influenciou sua obra, ao contrário, não pode ser medido. No caso da mais célebre delas, a maconha, pouco se sabe a respeito de seus efeitos na criatividade do artista e do ser humano.

"A maconha é uma mistura enorme de substâncias. Umas são conhecias, outras não. A gente não tem uma noção de toda sua abrangência", diz Dartiu Xavier, psiquiatra e professor doutor da Universidade Federal do Estado de São Paulo (UNIFESP).

Para o médico, poucos estudos ratificam a influência da cannabis no processo de criação do cérebro. "A pessoa pode se sentir mais livre, menos ansiosa, mas não há alteração na sua criatividade", diz ele.

João Menezes, doutor em neurobiologia e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), vai além quanto ao consumo da planta. "Você sincroniza coisas que normalmente você não sincronizaria. Isso dá um efeito pro artista que é o de criatividade, novas ideias. É a base daquele 'ih, viajou!'".

O especialista aprofunda mais sua análise. "Pra música isso é muito rico, dependendo do treinamento do músico. Pessoas que trabalham nessa área relatam que aumenta a criativade. Eu brinco que dá tempo pra você escutar os pensamentos", argumenta ele.

Mais ou menos criativo, o cérebro humano tem uma resposta padrão à maconha fruto de anos de evolução. Trata-se de um processo iniciado na ingestão dos princípios ativos da planta, especialmente o THC e o CBD.

Os compostos são neurotransmissores. Eles funcionam como pontes que enviam informações entre as células nervosas -- os neurônios. Contato feito, atividade celular alterada, efeitos da maconha alcançados.

A ligação entre substâncias e células só é possível por conta dos receptores endocanabinóides. A maconha seria indiferente ao cérebro humano caso eles não existissem. Tais como adaptadores USB, são eles que fecham o circuito na troca de dados (ou efeitos) entre planta e homem.

Eles não são poucos. Menezes elenca alguns além das conexões incomuns de ideias. "Mudança da passagem do tempo, aumento dos estímulos sensoriais, aumento do foco da atenção e distúrbio na memória de curta duração", diz o pesquisador.

A conta, entretanto, não é exata. "Tem umas espécies da planta que aumentam sua coordenação e sua vontade de fazer as coisas; dão muito mais fome. Tem outras que acalmam, te entorpecem, te põem pra dormir", afirma o especialista.

Não só por conta do tipo, as influências da maconha existem em função de fatores que vão do biotipo de quem a consome à forma de ingestão, passando pela quantidade e duração de absorção, afirma Menezes.

Da mesma maneira resultam os problemas do seu consumo. "A maioria dos efeitos negativos tem a ver com o uso muito precóce, numa fase em que o cérebro esta em desenvolvimento. A maconha é uma droga relativamente segura no adulto", diz o psiquiatra Dartiu Xavier.

O médico concorda com Menezes que os estudos sobre a cannabis ainda são novos dentro da comunidade científica. "Se eu soubesse como a maconha funciona no cérebro com perfeição eu estaria rico e famoso", brinca o professor da UFRJ.

Os fatos conhecidos até então permitem dizer que o consumo de maconha altera os processos criativos. Contudo, se não há garantia de se tornar o estereótipo letárgico propagado pela crença popular, tampouco haverá um novo Jimi Hendrix por causa da erva.


http://mtv.uol.com.br/musica/a-maconha-afeta-o-poder-de-criacao-musical?utm_source=redesabril_mtv&utm_medium=twitter&utm_campaign=redesabril_mtv1

segunda-feira, 10 de junho de 2013

sexta-feira, 7 de junho de 2013

quinta-feira, 6 de junho de 2013

O mundo dentro de si

E um dia, ao percebermos que suas ocupações são mesquinhas, que suas profissões são enrijecidas e não estão mais ligadas à vida, por que não olhar para eles como uma criança observa algo de estranho, a partir da profundeza do próprio mundo, da amplitude da própria solidão, que é ela mesma um trabalho, um cargo e uma profissão? Por que se desejaria trocar o sábio não-entendimento de uma criança pela atitude defensiva e pelo desprezo, uma vez que o não-entendimento é estar sozinho, mas a atitude defensiva e o desprezo são participações naquilo de que, com esses recursos, as pessoas querem se afastar? Pense, meu caro, no mundo que o senhor leva dentro de si, então dê a esse pensamento o nome que quiser [...] apenas preste atenção no que surge a partir de dentro e eleve-o acima de tudo o que [...] percebe em torno. Se um acontecimento mais íntimo é digno de todo o seu amor, é nesse pensamento que [...] deve trabalhar de algum modo, sem perder muito tempo nem muito esforço para esclarecer sua posição em relação aos outros homens. Quem é que lhe diz que [...] tem uma posição?

RILKE, Rainer Maria. Cartas a um jovem poeta. Tradução de Pedro Sussekind. Porto Alegre: L&PM, 2009. 96 p. ISBN 978852541566-0

Uma obra de arte é...

RILKE, Rainer Maria. Cartas a um jovem poeta. Tradução de Pedro Sussekind. Porto Alegre: L&PM, 2009. 96 p. ISBN 978852541566-0

 

Uma obra de arte é boa quando surge de uma necessidade. É no modo como ela se origina que se encontra seu valor, não há nenhum outro critério.

Obras e arte são de uma solidão infinita, e nada pode passar tão longe de alcançá-las quanto a crítica. Apenas o amor pode compreendê-las, conservá-las e ser justo em relação a elas.

Ser artista significa: não calcular nem contar; amadurecer como uma árvore que não apressa a sua seiva e permanece confiante durante as tempestades de primavera, sem o temor de que o verão não possa vir depois. Ele vem apesar de tudo. Mas só chega para os pacientes, para os que estão ali como se a eternidade se encontrasse diante deles, com toda a amplidão e serenidade, sem preocupação alguma.

Cartas a um jovem poeta

RILKE, Rainer Maria. Cartas a um jovem poeta. Tradução de Pedro Sussekind. Porto Alegre: L&PM, 2009. 96 p. ISBN 978852541566-0

 

Uma obra de arte é boa quando surge de uma necessidade. É no modo como ela se origina que se encontra seu valor, não há nenhum outro critério.

Obras e arte são de uma solidão infinita, e nada pode passar tão longe de alcançá-las quanto a crítica. Apenas o amor pode compreendê-las, conservá-las e ser justo em relação a elas.

Ser artista significa: não calcular nem contar; amadurecer como uma árvore que não apressa a sua seiva e permanece confiante durante as tempestades de primavera, sem o temor de que o verão não possa vir depois. Ele vem apesar de tudo. Mas só chega para os pacientes, para os que estão ali como se a eternidade se encontrasse diante deles, com toda a amplidão e serenidade, sem preocupação alguma.

E é disto que se trata, de viver tudo. Viva agora as perguntas. Talvez passe, gradativamente, em um belo dia, sem perceber, a viver as respostas [...] quase tudo o que é sério é difícil, e tudo é sério.

Os homens converteram até mesmo o ato de comer em uma outra coisa: carência por um lado e excesso por outro obscureceram a clareza dessa necessidade; e igualmente obscurecidas se tornaram todas as necessidades profundas e simples nas quais a vida se renova.

A ideia de ser um criador, de gerar, de formar,  não é nada sem a sua contínua e grandiosa confirmação e realização no mundo, nada sem o consenso mil vezes repetido por parte das coisas e dos animais. E só por isso o seu gozo é tão indescritivelmente belo e rico, porque é feito das recordações herdadas da geração e da gestação de milhões de seres. Em um pensamento criador revivem milhares de noites de amor esquecidas que o preenchem com altivez e elevação. Assim, aqueles que se juntam durante as noites e se entrelaçam em uma volúpia agitada fazem um trabalho sério, reúnem doçuras, profundidade e força para a canção de algum poeta vindouro que surgirá para expressar deleites indizíveis. Eles convocam o futuro; mesmo que errem e se abracem cegamente, o futuro virá apesar de tudo, um novo homem se elevará, e a partir do acaso que parece se realizar aqui desponta a lei pela qual um germe forte e resistente se lança em direção ao óvulo, que vem receptivo ao seu encontro. Não se deixe enganar pelo que é superficial; nas profundezas tudo se torna lei. Os que vivem mal e de modo falso o segredo (e são muitos) o perdem só para si mesmos, e no entanto o transmitem como uma carta fechada, sem saber.

 

 

Mas tudo o que talvez um dia ainda seja possível para muitos o solitário pode, já agora, preparar e construir com suas mãos, que erram menos. [...] ame a sua solidão e suporte a dor que ela lhe causa com belos lamentos. Pois os que são próximos [...] estão distantes [...] se o próximo está longe, então o que é distante vaga entre as estrelas, na imensidão. Alegre-se com o seu crescimento, para o qual não pode levar ninguém junto, e seja bondoso com aqueles que ficam para trás, seja seguro e tranquilo diante deles, sem perturbá-los com as suas dúvidas nem assustá-los com uma confiança ou alegria que eles não poderiam compreender.

E um dia, ao percebermos que suas ocupações são mesquinhas, que suas profissões são enrijecidas e não estão mais ligadas à vida, por que não olhar para eles como uma criança observa algo de estranho, a partir da profundeza do próprio mundo, da amplitude da própria solidão, que é ela mesma um trabalho, um cargo e uma profissão? Por que se desejaria trocar o sábio não-entendimento de uma criança pela atitude defensiva e pelo desprezo, uma vez que o não-entendimento é estar sozinho, mas a atitude defensiva e o desprezo são participações naquilo de que, com esses recursos, as pessoas querem se afastar? Pense, meu caro, no mundo que o senhor leva dentro de si, então dê a esse pensamento o nome que quiser [...] apenas preste atenção no que surge a partir de dentro e eleve-o acima de tudo o que [...] percebe em torno. Se um acontecimento mais íntimo é digno de todo o seu amor, é nesse pensamento que [...] deve trabalhar de algum modo, sem perder muito tempo nem muito esforço para esclarecer sua posição em relação aos outros homens. Quem é que lhe diz que [...] tem uma posição?

Amar também é bom: pois o amor é difícil. Ter amor, de uma pessoa por outra, talvez seja a coisa mais difícil que nos foi dada, a mais extrema, a derradeira prova e provação, o trabalho para o qual qualquer outro trabalho é apenas uma preparação. Por isso as pessoas jovens, iniciantes em tudo ainda não podem amar: precisam aprender o amor. [...] Mas o tempo de aprendizado é sempre um longo período de exclusão, de modo que o amor é por muito tempo, ao longo da vida, solidão, isolamento intenso e profundo para quem ama. O amor constitui uma oportunidade [...] para o indivíduo [...] tornar-se um mundo para si mesmo.

O que a vida deve fazer desse acúmulo de equívocos a que eles chamam de união e gostariam de chamar de sua felicidade? [...] Então cada um se perde por causa do outro e perde o outro e muitos outros quem ainda desejariam surgir. Perdem-se as vastidões e as possibilidades, troca-se a aproximação e a fuga de coisas quietas, cheias de pressentimentos, por um desespero infrutífero do qual nada mais pode resultar. [....] inclinada a considerar a vida amorosa um prazer, por isso tinha de torna-la fácil, barata, inofensiva e segura, como são os prazeres públicos. De fato muitos jovens que amam de modo falso, ou seja, simplesmente entregando-se, sem preservar a solidão (a maioria não passará nunca disso), sentem a opressão de um erro e querem, de uma maneira própria e pessoal, tornar vivida e fértil a situação em que se precipitaram [...] Como é que eles poderia encontrar uma saída em si mesmos, do fundo de sua solidão já desperdiçada, eles que se atiraram, que não se delimitam nem se diferenciam, e que portanto não possuem nada de próprio?

A menina e a mulher, em seu desdobramento novo e próprio, serão apenas de passagem imitadoras dos vícios e das virtudes masculinos e repetidoras das profissões dos homens. Depois das incertezas dessas transições, o que se revelará é que as mulheres só passaram por todos esses sucessivos disfarces [...] para purificar sua própria essência das influências deformadoras do outro sexo. As mulheres, nas quais a vida se instala e habita de modo mais imediato, frutífero e cheio de confiança, no fundo precisam ter se tornado seres humanos mais maduros, mais humanos do que o homem, pois ele não passa de um ser leviano, que é mergulhado sob a superfície da vida pelo peso de um fruto carnal, que menospreza, arrogante e apressado, aquilo que pensa amar. Essa humanidade da mulher, realizada em meio a dores e humilhações, virá à tona quando ela tiver se livrado das convenções do exclusivamente feminino nas transformações de sua situação exterior. E os homens que hoje não a sentem vir ainda, serão surpreendidos e derrotados por essa humanidade. [...] esse amor mais humano (que se realizará de modo infinitamente delicado e discreto, certo e claro, em laços atados e desatados) [...] na delimitação e saudação de duas solidões.

É necessário [...] que não experimentemos nada de estranho, mas apenas aquilo que nos pertence há muito tempo [...] vem de dentro dos homens aquilo que damos nome e destino.

Voltando ao assunto da solidão, fica cada vez mais claro que no fundo ela não é nada que se possa escolher ou abandonar. Somos solitários. É possível iludir-se a esse respeito e agir como se não fôssemos. É tudo. Muito melhor, porém, é perceber que somos solitários, e partir exatamente daí.

Mas apenas quem está pronto para tudo, quem não exclui nada, nem mesmo o mais enigmático, viverá a relação com uma outra pessoa como algo vivo e irá até o fundo de sua própria existência. Pois se pensamos a existência do indivíduo como um cômodo [...] revela-se que a maioria de nós só chega a conhecer um canto do seu quarto, um local perto da janela, uma faixa na qual se anda de lá para cá. [...] E no entanto nós não somos prisioneiros. Não há armadilhas e emboscadas armadas em torno de nós, nada que nos devesse angustiar ou perturbar. Estamos lançados na vida como no elemento ao qual correspondemos melhor, além disso nos tornamos, por meio de uma adaptação de milhares de anos, tão semelhantes a essa vida que, por um mimetismo afortunado, se nos mantivermos quietos, quase não nos diferenciaremos daquilo que nos cerca. Não temos motivo algum para desconfiar de nosso mundo, pois ele não está contra nós. Caso possua terrores, são nossos terrores [...] caso existam perigos, então precisamos aprender a amá-los [...] o que agora nos parece ser muito estranho  se tornará o que há de mais familiar e confiável.

Acredite em mim: a vida tem razão, em todos os casos.

O pensamento criador

RILKE, Rainer Maria. Cartas a um jovem poeta. Tradução de Pedro Sussekind. Porto Alegre: L&PM, 2009. 96 p. ISBN 978852541566-0


A ideia de ser um criador, de gerar, de formar,  não é nada sem a sua contínua e grandiosa confirmação e realização no mundo, nada sem o consenso mil vezes repetido por parte das coisas e dos animais. E só por isso o seu gozo é tão indescritivelmente belo e rico, porque é feito das recordações herdadas da geração e da gestação de milhões de seres. Em um pensamento criador revivem milhares de noites de amor esquecidas que o preenchem com altivez e elevação. Assim, aqueles que se juntam durante as noites e se entrelaçam em uma volúpia agitada fazem um trabalho sério, reúnem doçuras, profundidade e força para a canção de algum poeta vindouro que surgirá para expressar deleites indizíveis. Eles convocam o futuro; mesmo que errem e se abracem cegamente, o futuro virá apesar de tudo, um novo homem se elevará, e a partir do acaso que parece se realizar aqui desponta a lei pela qual um germe forte e resistente se lança em direção ao óvulo, que vem receptivo ao seu encontro. Não se deixe enganar pelo que é superficial; nas profundezas tudo se torna lei. Os que vivem mal e de modo falso o segredo (e são muitos) o perdem só para si mesmos, e no entanto o transmitem como uma carta fechada, sem saber.

quarta-feira, 5 de junho de 2013

quinta-feira, 2 de maio de 2013

O Pastor Amoroso

Agora que sinto amor
Tenho interesse nos perfumes.
Nunca antes me interessou que uma flor tivesse cheiro.
Agora sinto o perfume das flores como se visse uma coisa nova.
Sei bem que elas cheiravam, como sei que existia.
São coisas que se sabem por fora.
Mas agora sei com a respiração da parte de trás da cabeça.
Hoje as flores sabem-me bem num paladar que se cheira.
Hoje às vezes acordo e cheiro antes de ver.
 
Fernando Pessoa

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Lista de verificação ergonômica

CADEIRA PARA USAR COMPUTADOR

1) O assento possui estofamento pouco espesso e bem consistente (cede

aproximadamente 2 cm quando pressionado/utilizado)?

2) O assento possui uma leve inclinação para trás (cerca de 5

o)?

3) O revestimento do assento e do encosto são perspirantes (permitem

transpirar suavemente)?

4) O revestimento do assento e do encosto são anti-derrapantes?

5) O assento é suficientemente largo para o(s) usuário(s)?

6) A borda da frente é arredondada?

7) O comprimento do assento é menor do que o tamanho da coxa do(s)

usuário(s)?

8) Existe regulagem para a altura do assento?

9) Existe amortecimento do assento?

10) Existe encosto do tipo apoio lombar?

11) As medidas do apoio lombar estão de acordo com os seguintes limites:

a. largura (horizontal): de 30 a 35 cm.

b. Altura (vertical): de 15 a 20 cm.

12) Existe regulagem da altura do encosto lombar com relação ao assento?

13) Existe regulagem de profundidade do apoio lombar?

14) O encosto é reclinável?

15) Se o encosto não for reclinável, o ângulo entre o encosto e o assento fica

entre 95

o e 105o?

16) O assento é giratório?

17) Possui 5 pés com rodízios?

18) Possui apoio para braços?
 

Lista de verificação ergonômica POSTURA (TRABALHO SENTADO):

1) A postura sentada dos usuários (colaboradores) é alternada com outras

posturas (em pé e com caminhadas)?

2) Os usuários (colaboradores) são instruídos sobre a melhor forma de sentar?

3) Existe apoio (suporte separado da cadeira) adequado para os pés?

4) O alcance de materiais fora dos limites da postura sentada é evitado?

5) Existe suporte com superfície inclinada para acomodar papéis (ao lado do

monitor de vídeo) para leitura e para realização de outras tarefas visuais?
 
 
 
 

Critérios de conforto da MESA DE TRABALHO para escritório

1) Boa profundidade (distância entre a frente e o fundo da mesa),

para poder trabalhar com o monitor afastado de 70 a 80 cm dos olhos.

2) Largura suficiente para se colocar neste plano os equipamentos, acessórios

e materiais de trabalho mais utilizados.

3) Altura adequada ao tamanho do usuário (padrão 74 cm; pode ser ajustado).

4) Espaço adequado para as pernas sob a mesa.

5) Flexibilidade para poder modificar a disposição dos equipamentos,

acessórios e espaços de trabalho.
 
 
Prof. Márcio Matias
UFSC - Disciplina Informática em Arquivos

Fwd: Misomusia

Não ter o senso da arte não é grave. Pode-se não ler Proust, não ouvir Schubert e viverem paz. Mas o misomuso não vive em paz. Sente-se humilhado pela existência de uma coisa que o supera e a odeia. Existe uma misomusia popular assim como existe um anti-semitismo popular. Os regimes fascistas e comunistas sabiam se aproveitar disto quando davam caça à arte moderna. Mas existe a misomusia intelectual, sofisticada: ela se vinga sobre a arte sujeitando-a a um fim situado além da estética. A doutrina da arte engajada: a arte como meio de uma política. Professores para quem uma obra de arte não é senão um pretexto para o exercício de um método (psicanalítico, semiológico, sociológico etc.).
 
Kundera, Milan, 1929. A arte do romance

terça-feira, 2 de abril de 2013

Os Caminhos Desapareceram da Alma Humana

Caminho: faixa de terra sobre a qual se anda a pé. A estrada distingue-se do caminho não só por ser percorrida de automóvel, mas também por ser uma simples linha ligando um ponto a outro. A estrada não tem em si própria qualquer sentido; só têm sentido os dois pontos que ela liga. O caminho é uma homenagem ao espaço. Cada trecho do caminho é em si próprio dotado de um sentido e convida-nos a uma pausa. A estrada é uma desvalorização triunfal do espaço, que hoje não passa de um entrave aos movimentos do homem, de uma perda de tempo.
Antes ainda de desaparecerem da paisagem, os caminhos desapareceram da alma humana: o homem já não sente o desejo de caminhar e de extrair disso um prazer. E também a sua vida ele já não vê como um caminho, mas como uma estrada: como uma linha conduzindo de uma etapa à seguinte, do posto de capitão ao posto de general, do estatuto de esposa ao estatuto de viúva. O tempo de viver reduziu-se a um simples obstáculo que é preciso ultrapassar a uma velocidade sempre crescente.

Milan Kundera, in "A Imortalidade"

sexta-feira, 22 de março de 2013

Fotógrafo italiano Gabriele Galimberti

O fotógrafo italiano Gabriele Galimberti criou o projeto "Toy Stories", no qual fez imagens de crianças do mundo todo cercadas por seus objetos favoritos, os brinquedos.

De acordo com Galimberti, um traço em comum era como os brinquedos refletiam o ambiente da criança. Uma menina de uma família rica de Mumbai, por exemplo, adora o jogo Banco Imobiliário, por gostar da ideia de construir casas e hotéis.

Mas, Ralf, de quatro anos e que mora em Riga, na Letônia quer ser campeão de Fórmula 1. A mãe dele é motorista de táxi.

O fotógrafo também notou diferenças entre as crianças na forma como se relacionam com seus brinquedos.

"As crianças mais ricas eram mais possessivas. No começo não me deixavam tocar nos brinquedos e eu precisava de mais tempo antes de elas me deixarem brincar", disse.

"Nos países pobres era muito mais fácil. Mesmo se elas tivessem apenas dois ou três brinquedos, elas não se importavam (comigo tocando os brinquedos)", acrescentou.

Em suas viagens, Galimberti mostrou desde crianças nos Estados Unidos, em quartos espaçosos e cercadas de brinquedos, até crianças em cabanas na África, com poucos objetos geralmente doados ou encontrados nas ruas.
 
 

terça-feira, 12 de março de 2013

Habemus Papam

Bento XVI não quis ficar
São Cornélio não quis falar
Carol Voitila morreu
E o conclave aconteceu

Mas quando a fumaça é branca 
Habemus Papam (4x)




letra: f. foresti

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Alegria sempre-nova

PARAMAHANSA YOGANANDA. Autobiografia de um iogue. São Paulo: Self-Realization Fellowship, 2009. ISBN 978-0-87612-016-3. p. 164-165

- Quero saber, senhor, quando encontrarei Deus?
[...]
- Estou certo de que você não está esperando um personagem venerável, enfeitando um trono em algum cantinho anti-séptico do cosmos! Percebo, entretanto, que você imagina que a posse de poderes miraculosos é a prova de que alguém encontrou Deus. Não. Pode-se adquirir o poder de controlar o universo inteiro e, não obstante, descobrir que Deus Se esquiva. O progresso espiritual não é medido pela exibição de poderes externos, mas apenas pela profundeza da bem aventurança alcançada em meditação.

- Deus é alegria sempre nova. Ele é inesgotável. À medida que você prosseguir com suas meditações, durante anos, Ele o fascinará com infinita engenhosidade. Devotos como você, que encontraram o caminho para Deus, nunca sonham trocá-lo por nehuma outra felicidade. Ele é o sedutor para Quem não há rival.

- Com que rapidez nos cansamos dos prazeres terrenos! O desejo de coisas materiais é infindável; o homem nunca está completamente satisfeito e persegue um objetivo após outro. Aquele "algo mais" que ele procura é o Senhor, o único que pode conceder alegria imperecível.

- Anseios exteriores nos expulsam do Éden interior; oferecem prazeres falsos que apenas imitam a felicidade da alma. Reconquista-se o paraíso perdido rapidamente, por meio da meditação divina. Sendo Deus a Eterna Novidade imprevista, nunca nos fatigamos Dele. Podemos nos cansar da bem-aventurança, se ela é deliciosamente variada por toda a eternidade?

[...]

- A alegria sempre-nova é comprovação da existência Dele, convincente para os próprios átomos de nosso corpo. Além disso, ao meditar, encontramos Sua orientação instantânea, Sua resposta adequada a cada dificuldade.

[...]

- Agora percebo que encontrei Deus, pois sempre que a alegria da meditação volta subconscientemente durante as horas de atividade, sou sutilmente levado a adotar o procedimento correto em tudo, até nos menores detalhes.

Arquivos Malucos

Seguidores