Um livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive. (Padre Antônio Vieira)

quarta-feira, 28 de maio de 2014

A veneração do passado

A veneração do passado sempre me pareceu reacionária. A direita elege o passado porque prefere os mortos: mundo quieto, tempo quieto. Os poderosos, que legitimam seus privilégios pela herança, cultivam a nostalgia. Estuda-se história como se visita um museu; e essa coleção de múmias é uma fraude. Mentem-nos o passado como nos mentem o presente: mascaram a realidade. Obriga-se o oprimido a ter como sua uma memória fabricada pelo opressor, alienada, dissecada, estéril. Assim ele haverá de resignar-se a viver uma vida que não é sua como se fosse a única possível. Em As veias, o passado sempre aparece convocado pelo presente, como memória viva de nosso tempo [...] se indaga o som e as pegadas dos passos multitudinários que presentem nossos passos de agora [...] os latino-americanos somos pobres porque rico é o solo que pisamos e que os lugares privilegiados pela natureza foram amaldiçoados pela história. Neste nosso mundo, mundo de centros poderosos e subúrbios submetidos, não há riqueza que pelo menos não seja suspeita. p. 370-371.


GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. Porto Alegre: L&PM, 2014. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivos Malucos

Seguidores