Um livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive. (Padre Antônio Vieira)

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Assim falou Zaratustra

Contra eles não mais levantes o braço; inúmeros são eles e não nasceste para enxota-moscas. p. 79

Aquilo que conhecemos num homem é, também, o que nele inflamamos. Guarda-te, portanto, dos pequenos! p. 80

Não é melhor ir parar nas mãos de um assassino do que nos sonhos de uma mulher libidinosa? p. 81
 
NIETZSCHE, Friedrich W. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução de Mário da Silva. 12. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. 381 p.

sábado, 19 de novembro de 2011

Os imbecis e as aparências

Mas não importa o que façamos, os imbecis e as aparências falam contra nós, dizendo: "Estes são homens sem dever" – sempre temos os imbecis e as aparências contra nós. p. 132

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Além do bem e do mal: prelúdio à uma filosofia do futuro. Tradução de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

A gata e Afrodite

Uma gata que se apaixonara por um fino rapaz pediu a Afrodite para transformá-la em mulher. Comovida por tal paixão, a deusa transformou o animal numa bela jovem. O rapaz a viu, apaixonou-se por ela e a desposou. Para ver se a gata havia se transformado completamente em mulher, Afrodite colocou um camundongo no quarto nupcial. Esquecendo onde estava, a bela criatura foi logo saltando do leito e pôs-se a correr atrás do ratinho para comê-lo. Indignada, a deusa fê-la voltar ao que era.
O perverso pode mudar de aparência, mas não de hábitos.
 
 
ESOPO. Fábulas de Esopo. Tradução de Antônio Carlos Vianna. Porto Alegre: L&PM, 2010. p. 9

A camela

Uma camela atravessava um rio de águas turbulentas. Tendo defecado, as fezes levadas pelo redemoinho foram parar no seu focinho. Então ela exclamou:
- Como é que o que estava atrás veio parar na minha frente?
Em certas ocasiões, os sensatos são ultrapassados pelos piores imbecis.
 
 
ESOPO. Fábulas de Esopo. Tradução de Antônio Carlos Vianna. Porto Alegre: L&PM, 2010. 176 p.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Samba de Cristina

Cristina, eu quero percorrer
Do seu corpo todas as paragens,
Eu quero ser um louco
Que conversa com suas tatuagens.

E te ver de todos ângulos,
Saber de todos seus enganos,
Sambar com você a noite inteira,
Na boemia de segunda feira.

(refrão)
Cristina!
Eu fiz um samba novo em homenagem à você
Eu fiz um samba novo em homenagem à você
Sei que posso parecer bobo,
Sei que pode parecer clichê.
Mas eu fiz.
 
 
Composição: f. foresti

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Causa do poeta

O amor não causa asas,
Mas faz voar e suspende.
O amor não causa a ruína,
Mas faz cair e despedaça.

O amor não causa o júbilo,
Mas faz sorrir e envaidece.
O amor não causa a dor,
Mas faz doer e mortifica.

Escritos a tão dura pena,
Não são do amor esses versos,
O amor não causa o poema.

Mas faz inspirar a poesia,
É causa do poeta que ama,
Causar na amada alegria.


Sonho demais

Rio e divirto-me com meus sonhos,
Vãs realidades,
E se deixo alguns para trás,
Não é porque não os quero:
É que sonho demais.

Fabiano Foresti

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Pele de pavão

Pele de pavão,
Recolhe meu coração e
Leva para qualquer lugar,
Mas tira do chão.

Pele de pavão,
Abre suas asas e
Traz sabedoria,
Faz minh'alma calar.

Devagar e no escuro,
Ensina o silêncio absoluto
Para este tolo,

Para esta alma rasa,
Ensina-me a dançar.
Pele de pavão: me faz cantar.

fforesti.com.br

O beijo-sopro

Beijo-sopro,
Leva para longe
Meu coração assustado
E esconde ele

Em qualquer lugar
Impossível de localizar.
Ele não quer mais bater,
Não quer mais me pertencer.

Beijo sopro,
Traz um pouco de vida
Para esta alma perdida

Que em meu corpo não quer ficar.
Beijo-sopro, revele seus segredos e
Retire do meu coração e alma todo o medo.

fforesti.com.br

Pele de cobra

Pele de cobra branca
Que com calma dança
E caminha e olha
Com movimento perfeito.

Pele de cobra que
Faz minh'alma sonhar
E descobrir o novo
Que vens mostrar.

Pele de cobra que
Transforma meu mundo
E pinta no céu as cores

Que surgem no infinito
Da sua pele branca tatuada:
Pele de cobra: sei, ouço, sinto.

fforesti.com.br

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Boemia de segunda feira

Quero percorrer, do seu corpo,
Todas as paragens,
Eu quero ser um louco
Que conversa com suas tatuagens.
E te ver sob todos os ângulos,
Saber de todos seus enganos,
Sambar com você a noite inteira
Na boemia de segunda feira.
Fiz um samba novo
Em homenagem à você,
Sei que posso parecer bobo,
Sei que pode parecer clichê,
Mas sambar com você é tão gostoso,
Fique sabendo: estou a sua mercê.
fforesti.com.br

Arquivos Malucos

Seguidores