Um livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive. (Padre Antônio Vieira)

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Desejo, com uma sinceridade que é feroz

Nunca deixarei, creio, de ser ajudante de guarda-livros de um armazém de fazendas. Desejo, com uma sinceridade que é feroz, não passar nunca a guarda--livros.
 
O livro do desassossego, Bernardo Soares

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Arquivos Malucos

Seguidores